TJMS - novembro
Menu
Busca segunda, 18 de novembro de 2019
Polícia

CRIMES DE ÓDIO: com 12 mortes só neste ano, MS tem um feminicídio por semana

Somente em março, mês em que se comemora o Dia da Mulher, foram 5 assassinatos

05 abril 2019 - 19h00Por Anna Gomes

Apesar do número de outros crimes diminuírem em Mato Grosso do Sul, as mulheres continuam sendo vítimas de seus companheiros. Conforme a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), só no mês de março, MS registrou cinco vítimas.

Se somarmos os números desde janeiro até os cinco primeiros dias de abril de 2019, foram 12 mulheres mortas por seus companheiros, quase um feminicídio por semana. Assassinadas por pessoas que elas confiavam e conviviam.

Ainda conforme a Sejusp, o Estado teve uma boa melhora nos crimes de roubos, furtos, etc. Os únicos que não diminuíram nas estatísticas foram os de violência contra a mulher, especialmente de feminicídios.

O aumento dos registros de casos de violência domésticas mostra que as mulheres, cada vez mais, estão criando coragem de denunciar seus parceiros. Mas, e depois disto? A medida protetiva ajuda a ‘proteger’ a mulher? Em muitos casos, infelizmente, a violência doméstica acaba virando feminicídio.

Projeto para aumentar a pena

Pensando em tentar fazer com que os assassinos fiquem com receio, a deputada federal Rose Modesto (PSDB) iniciou um manifesto nacional pela aprovação de projeto que visa aumentar a pena aos condenados por prática de feminicídio.

A ideia de Rose é, além de aumentar a pena do homicida, impedir que ele seja favorecido com a chamada progressão de pena depois de cumprido determinado período da condenação.

Hoje, quem mata a mulher pode ser condenado a pena que pode alcançar até 30 anos. E a sentença mínima começa a partir dos 12 anos de prisão.

“Se nada for feito, este número só vai aumentar. Vamos começar a colher assinaturas em moção de apoio ao projeto como forma de sensibilizarmos a todos sobre o quanto o crime de feminicídio precisa ter punição mais severa, que precisa ser aplicada o mais rápido possível. Vamos começar por Campo Grande e levaremos esta coleta de assinaturas para todo o Brasil”, disse a deputada.