Menu
sexta, 14 de agosto de 2020
Polícia

Mulher assassinada por ex-marido solicitou medidas protetivas em 2018

Sem revogar o pedido na polícia, Pricila voltou a se relacionar com o suspeito e foi morta na madrugada de hoje

11 maio 2019 - 12h53Por Dany Nascimento

A delegada titular da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), Joilce Silveira Ramos, confirma que Luana Pricila de Oliveira, 26 anos, assassinada a tiros pelo ex-marido dentro de uma boate na madrugada deste sábado (11), tinha solicitado medidas protetivas de urgência e, mesmo assim, permitiu reaproximação com o suspeito, João Gonçalves Silva, 39 anos.

Segundo a delegada, a vítima não pediu revogação da medida e voltou a morar com João. “Essa vítima separou do autor em setembro, solicitou medida protetiva, que foi deferida. Eles reataram, ela não comunicou e não pediu revogação da medida,q continuou valendo”.

Luana aceitou conversar com o suspeito dentro da boate, teve relação sexual com o mesmo e depois foi assassinada. “Ele foi procurá-la, ela aceitou, sentou com ele, conversou, subiu para quarto, manteve relação sexual consentida e, infelizmente, aconteceu isso. Claro que não podemos colocar a culpa na vítima, a culpa é  desse homem que não aceitou a separação”.

Conforme a delegada, a vítima era perseguida pelo suspeito.

O caso

Luana Pricila de Oliveira, 26 anos, foi executada com quatro tiros dentro de um quarto em uma boate na Rua Olavo Bilac, na Vila Carvalho, em Campo Grande. O suspeito de cometer o crime, João Gonçalves Silva, 39 anos, seria ex-marido da vítima e não aceitava o fim do relacionamento.

Ele entrou na boate, conversou por alguns minutos com Luana e ambos subiram para um quarto. Os dois tiveram relação sexual e, após o ato, João sacou uma arma e disparou quatro vezes contra a jovem, que morreu no local. Em seguida, ele atirou contra a própria cabeça.

Pricila foi atingida na nuca, nádegas, braço e coxa. João  tinha um ferimento do lado esquerdo da cabeça. No local, a Polícia Militar encontrou um revólver calibre 38. João ainda estava vivo quando a polícia chegou no local, mas morreu enquanto era encaminhado para a Santa Casa.

Leia Também

Homem baleado na cabeça na Mato Grosso morre na Santa Casa
Cidade Morena
Homem baleado na cabeça na Mato Grosso morre na Santa Casa
Três ex-guardas municipais envolvidos na milícia dos Name são soltos pela Justiça
Cidade Morena
Três ex-guardas municipais envolvidos na milícia dos Name são soltos pela Justiça
Baleado na avenida Mato Grosso está em estado gravíssimo na Santa Casa
Cidade Morena
Baleado na avenida Mato Grosso está em estado gravíssimo na Santa Casa
Energisa cobra atestado de cliente suspeito de covid para não cortar luz em Campo Grande
Cidade Morena
Energisa cobra atestado de cliente suspeito de covid para não cortar luz em Campo Grande