TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
segunda, 23 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Polícia

Nova Andradina vive onda de furtos e obriga comerciantes a investir em mais segurança

Prejuízos com os crimes chega a cerca de R$ 23 mil em menos de 30 dias

29 agosto 2018 - 11h30Por Luis Abraham

Recentamente uma loja de móveis e eletrodomésticos, localizada na Avenida Antônio Joaquim de Moura Andrade, na região central da cidade, foi alvo de dois furtos seguidos, causando um prejuízo de R$ 23 mil menos de um mês. A saída encontrada pela empresa foi investir cerca de R$ 10 mil em grades de proteção.

O gerente da unidade alega que apenas as câmeras de monitoramento não foram o bastante para inibir a ação dos criminosos. “Agora, com as grades, podem até quebrar os vidros, mas creio que não poderão entrar com tanta facilidade”, explicou o responsável pelo comércio.

Nas palavras dele, a atual legislação brasileira favorece os bandidos, gerando impunidade. “Aqueles que aderem à criminalidade não têm mais medo de serem identificados e detidos, porque, pela força da lei, acabam sendo colocados em liberdade. A polícia faz seu trabalho, mas a legislação deixa muito a desejar. O jeito foi por grades e transformar nossa loja em uma prisão, enquanto os criminosos ficam soltos nas ruas”, desabafa.

A direção da loja informa que os R$ 23 mil de prejuízo com os crimes somados com R$ 10 mil para colocar as grades totalizam R$ 33 mil em despesas. “Além de todos os encargos, dos impostos, ainda tivemos que desembolsar este valor apenas para termos o direito de continuar trabalhando. É justo isso?”, finalizou.

Os crimes

 

O primeiro furto aconteceu em julho deste ano. O criminoso quebrou a porta de blindex do comércio e foi direito ao balcão de vidro onde ficam expostos os telefones celulares. Diversos aparelhos avaliados em R$ 8.143,00 foram levado. O suspeito chegou a ser identificado e localizado pela Polícia Civil mas responde em liberdade por não ter sido detido em flagrante

O criminoso alegou que já havia se desfeito dos celulares e não teria como ressarcir a loja pelos prejuízos causados. O gerente do comércio critica a legislação brasileira por ser branda demais.

A segundo ocorrência foi registrada em 5 de agosto. Um criminoso furtou novamente diversos aparelhos celulares. A mercadoria levada mais os danos ao prédio, que teve o vidro quebrado, chegam a cerca de R$ 15 mil. Ao todo, os prejuízos com os dois crimes chega a cerca de R$ 23 mil em menos de 30 dias.

O gerente disse que ainda não recebeu nenhuma posição das autoridades com relação ao segundo furto. Ele acredita que o caso segue sob investigação. “Não tenho o que reclamar da polícia, mas a lei brasileira não impõe mais respeito”, alega o comerciante, ao resumir que não tem mais esperança de recuperar os aparelhos subtraídos, tanto em ambos os casos.