Menu
sábado, 24 de julho de 2021
PMCG REFIS 16 A 29/07
Polícia

Padrasto que estuprou menina de 10 anos vai ficar mais tempo no xilindró

A vítima foi morta por contar os abusos para a mãe na cidade de Brasilândia

14 junho 2021 - 11h19Por Dany Nascimento

O padrasto de 49 anos acusado de estuprar diversas vezes uma criança de 10 anos, durante um ano no município de Brasilândia teve a pena aumentada para 20 anos, 06 meses e 15 dias de reclusão.

Conforme o processo, ele já havia sido condenado a 15 anos, 11 meses e 20 dias de reclusão, em regime fechado, mas diante de uma apelação feia pela defesa e pelo Ministério Público, a pena foi aumentada. 

O caso

A criança morreu após ser espancada e enterrada viva pela mãe, Emileide Magalhães. A mãe não aceitava ouvir que a criança era abusada pelo padrasto. 

O suspeito estuprou a criança durante um ano e fazia ameaças de morte. Ele aproveitava os momentos em que ficava sozinho com a menor. A criança já havia contado para uma amiguinha na escola, que era abusada, mas tinha medo de falar e apanhar em casa. 

O irmão da criança, m adolescente de 13 anos, contou detalhes do crime na delegacia. Ele disse que a mãe derrubou a menina no chão,  enrolou um fio no pescoço dela e começou a enforcar a menina. 

Ela gritava que não queria morrer. Minutos depois, ela foi colocada dentro de um buraco no chão na MS 040. 

A causa da morte foi asfixia mecânica por compressão do tórax, compatível com o relato do adolescente, apontando que a irmã foi enterrada viva.

O adolescente confirmou que a mãe já tinha ameaçado a criança, caso ela continuasse acusando o padrasto de estupro.