Maracaju IV agosto cursos 2022
COSTA RICA AGOSTO 2022
Menu
quinta, 18 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
Dengue agosto
Polícia

Primos são presos com armas e munições; um deles é suspeito de cometer assaltos em MS

Com a dupla, a polícia encontrou dois revólveres e várias munições

21 abril 2019 - 14h26Por Anna Gomes

A Polícia Militar prendeu dois primos em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Dois revólveres além de munição foram apreendidos na casa de um deles, de 23 anos, e no momento da apreensão o parente, também de 23 anos, foi perseguido e preso pela Força Tática. A ação policial ocorreu após denúncias anônimas, no sábado (20), por volta das 15h, na Rua Rio Aporé, no loteamento OT, em Três Lagoas, município distante aproximadamente 330 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o JP News, um dos suspeitos estaria envolvido em vários roubos a mão armada em Três Lagoas, nas ultimas três semanas. Ele seria morador de uma cidade do interior de SP e supostamente escondia as armas de fogo usadas nos assaltos na casa do parente três-lagoense.

No imóvel, a companheira do dono casa, uma jovem de 23 anos, alegou que ele recebera o primo há mais de uma semana, que pediu abrigo por alguns dias, supostamente por estar em busca de serviço na cidade.

Na casa, os PMs encontraram duas armas de fogo, tipo revólver, calibres 22, um com sete cartuchos intactos, outro com seis cartuchos intactos, ambas com numeração raspada. Também foram encontradas mais seis munições de calibre 32, três de 22 e outras seis de calibre 38.

No momento da vistoria, ainda conforme o site local, um dos suspeitos tentou fugir, mas foi alcançado, algemado e preso. Ele teria confessado ser dono dos revólveres, alegando que teria saído do sistema prisional de Pacaembu (SP) onde cumpriu pena por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. Pelo motivo, teria adquirido as armas, supostamente, para sua segurança, pois teria "bronca" nas cidades paulistas de Andradina e Castilho.

O outro rapaz, chegou na casa em seguida e teria confirmado aos policiais, que liberou a estadia para o parente, mas não teria conhecimento da vida criminal dele.