ASSEMBLEIA MAIO DE 2022 FULLBANNER
TJMS MAIO
Menu
quinta, 26 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Polícia

Governo vai investigar PM que bateu na mulher e atirou contra testemunhas

Rodrigo teria agredido a esposa e atirado contra pessoas em Aquidauana

06 outubro 2018 - 15h15Por Dany Nascimento

Após denúncia do TopMídiaNews, a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul) afirmou que o Policial Militar Rodrigo de Oliveira Martins, acusado de agredir a esposa e atirar contra a população de Aquidauana, foi preso, mas acabou liberado após pagar fiança.

“A Polícia Militar de Aquidauana foi acionada via 190 e uma equipe policial militar esteve no local, sendo que o Sd Rodrigo foi preso e encaminhado a delegacia de polícia, no mesmo dia o delegado arbitrou fiança ao autor da violência e este foi liberado”.

Sobre a atitude do policial, a Sejusp afirma que procedimentos serão abertos para apurar os fatos. “O comandante do Batalhão de Aquidauana determinou que se abra os procedimentos adequados para que se apure os fatos e circunstâncias do crime e tomará todas as providências que o caso requer”.

O caso

Revoltada com a atitude de um Policial Militar, uma leitora do TopMídiaNews afirma que a população de Aquidauana anda enfrentando problemas com um membro da corporação, que já teria até atirado contra algumas pessoas utilizando a arma do Estado. A leitora, que optou por não revelar o nome por medo de represálias, afirma que o PM Rodrigo de Oliveira Martins teria batido na esposa na frente de diversas pessoas, sacou a arma e realizou disparos contra aqueles que tentaram impedir as agressões.

Segundo a leitora, ele não conseguiu acertar nenhuma das pessoas que tentaram defender a mulher e ficou poucas horas preso por ter as ‘costas quentes’. “Na madrugada de sábado, ele estava bebendo com a esposa em uma conveniência, aí eles começaram a brigar e ele desceu a mão nela. Três pessoas que estavam no local tentaram interferir e ele meteu bala em todo mundo com a arma da polícia, mas não acertou", conta.

"Acionaram uma guarnição, que foi até o local e ele conseguiu convencer os policiais que ia no carro particular dele para delegacia, mas aí ele vazou e fez os contatos dele. Ele apareceu no batalhão com um advogado, ficou algumas horas detido. Parece que até o boletim da Polícia Civil foi modificado, ele pagou fiança e saiu de boa”, continua.

 A denunciante destaca ainda que o policial teria inventado que teve o carro apedrejado para justificar os disparos de arma de fogo. “Ele alegou que atirou porque apedrejaram o carro dele, o que é mentira e, mesmo que tivessem feito isso, não justifica. O problema é que ele está debochando de todo mundo que tem as costas quentes e está todo mundo revoltado. Outra coisa, a gente não consegue ver nenhum dos dois boletins, o que a PM fez e o que a Civil fez, porque estão em sigilo”.

Boletim de Ocorrência

De acordo com o Boletim de Ocorrência registrado por duas vítimas que tentaram interferir na briga do casal, Rodrigo estava agredindo a esposa dentro de um veículo e a mulher gritava por socorro. Três homens foram em direção ao carro e, ao tentar ajudar a mulher, o policial teria sacado a pistola .40 e efetuado três disparos.

Nenhuma das pessoas foi atingida pelos tiros. Uma das vítimas afirma ainda que levou socos do policial e teve a arma apontada para a cabeça. Conforme o boletim, a esposa do policial nega que seja vítima de agressões e colabora com a tese do investigado.

Outras denúncias

Além disso, conforme a denunciante, o policial militar teria publicado alguns 'nudes' [imagens de cueca e/ou com ereções usando a farda] no seu status com visualização para vítimas de violência doméstica das quais teve acesso ao telefone. A reportagem teve acesso às fotos, mas, neste caso, nenhuma vítima registrou boletim de ocorrência.