Menu
quinta, 05 de agosto de 2021
Polícia

Sindicato tenta dar fim ao déficit de agentes penitenciários em MS

Ofício encaminhado ao governo reconhece chamado de 55 agentes, mas ainda é considerado pouco e sindicato alerta para colapso no sistema prisional

21 julho 2021 - 17h19Por Vinicius Costa

A fim de evitar um possível colapso no sistema prisional e acabar de uma vez com o déficit de servidores, o Sinsap-MS (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária) encaminhou um ofício ao Governo do Estado para solicitar uma convocação ainda mais generosa contendo ainda mais nomeações.

Recentemente, o governo convocou 55 remanescentes, mas o número ainda é considerado insuficiente para o sindicato, que enxerga uma dificuldade para equilibrar o número de servidores e evitar o colapso.

Em trecho do ofício, o Sinsap agradece a medida imposta pelo governo, mas entende que não é considerado "perfeito" para corrigir as carências da categoria. “Apesar de reconhecermos a importância dessa medida tomada pelo governo do estado para amenizar o nosso histórico déficit de servidores, quando analisamos as nossas crescentes necessidades, concluímos que essa nomeação além de não corrigir todas as carências de efetivo funcional, é insuficiente para operacionalizarmos com segurança todas as rotinas do sistema penitenciário estadual”.

O sindicato entende que investimentos no sistema, a convocação de mais remanescentes, a regulamentação da polícia penal e o reconhecimento dos servidores devem ser prioridades para o atual governo.

“Essa pauta é de suma importância para toda a categoria e para a sociedade. O sistema está prestes a entrar em colapso e não têm recebido a mesma celeridade devida quanto à imposições  de novas atribuições”, diz o presidente do Sinsap-MS, André Santiago.

Para tentar amenizar esse déficit, o ofício encaminhado solicita uma convocação maior que a última feita por entender que existe um alto índice de evasão dos servidores, por ser considerada a segunda profissão mais perigosa e mal renumerados.

A previsão é de um cenário ainda pior, com a possibilidade de servidores aprovados em concursos que deverão fazer convocações em breve e também com a previsão de retorno de todas as rotinas nos presídios