Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Polícia

Testemunha diz que empresário morto por PRF pediu desculpas três vezes por erro no trânsito

Ricardo Hyiun Su Moon, acusado de matar o empresário Adriano Correia do Nascimento, está em julgamento no Tribunal do Júri

11 abril 2019 - 10h07Por Rodson Willyams e Dany Nascimento

O supervisor comercial Agnaldo Spinosa da Silva, de 51 anos, foi a primeira testemunha a ser ouvida nesta quinta-feira (11), no julgamento do policial rodoviário federal Ricardo Hyiun Su Moon, acusado de matar o empresário Adriano Correia do Nascimento, no dia 31 de dezembro de 2016.

A audiência acontece no Tribunal do Júri. Em depoimento, Agnaldo disse que a vítima pediu desculpas por três vezes e mesmo assim foi morta pelo policial, que, a todo momento, dizia que ia 'mostrar como que a polícia faz'.

A testemunha relatou que voltava da boate por volta das 5h45, onde comemorava o aniversário do filho, identificado como Vinicius, amigo de Adriano. Segundo a testemunha, o empresário não percebeu que havia fechado o carro de Ricardo, tanto que chegou a abrir a janela do veículo e fazer um sinal para o policial como pedido de desculpas pelo erro.

Em determinada altura da Avenida Ernesto Geisel, com o semáforo vermelho, o empresário estava parado com o veículo quando o policial teria fechado a caminhonete aonde estava Agnaldo, o filho e a vítima, descido do carro e chamado Adriano de vagabundo.

Durante a conversa, Agnaldo relatou que o empresário havia pedido desculpas pelo ocorrido por três vezes, mas mesmo assim, Ricardo apenas dizia que era policial e que iria 'mostrar como que policial faz'.

Em outra parte do depoimento, Agnado relatou que chegou a descer do veículo e mostrou a Ricardo que não estava armado, mas ao entrar na caminhonete, o veículo andou, momento em que o policial efetuou diversos disparos de arma de fogo contra os ocupantes. O empresário, atingido por dois tiros, morreu na hora.

A testemunha relata que, já morto, o pé de Adriano apertou o acelerador do carro, que percorreu alguns metros até colidir em um poste. Agnaldo diz que ficou preso no carro depois que o airbag foi acionado. Após conseguir sair, a vítima acreditava que o filho, Vinícius, também estaria morto, porém o adolescente havia desmaiado e apresentava um ferimento na perna.

Ainda conforme o relato de Agnaldo, os policiais que atenderam a ocorrência trataram as vítimas como bandidas.

Outras testemunhas serão ouvidas no julgamento.

* matéria editada às 10h47 para correção de informações

Leia Também

Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Cidades
Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Geral
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Política
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais
Geral
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais