Menu
segunda, 28 de setembro de 2020
Polícia

Trio que roubou, fugiu da polícia e atropelou casal segue atrás das grades

Durante os depoimentos, os suspeitos alegaram tortura da polícia

30 abril 2019 - 10h31Por Redação

Jeferson Marcelo Pereira Valério, 40 anos, e Hudson Lucas de Moraes e Osmar Ferreira de Souza, passaram por audiência de custódia na manhã desta terça-feira (30), e continuam presos. O trio é suspeito de roubar carros, fugir da polícia e ainda atropelar um casal durante a fuga.

Os criminosos foram presos na tarde do último domingo (28). Durante a perseguição, os bandidos, que estavam a bordo de um carro roubado, chegaram a atropelar um casal.

Conforme a polícia, os militares foram acionados após o roubo de um carro Hyundai Creta de cor branca. Os policiais conseguiram encontrar o automóvel roubado, mas os criminosos tentaram fugir.

No Bairro Colibri, em Campo Grande, durante a fuga, os bandidos acabaram atropelando duas pessoas. Após a batida, os suspeitos foram presos e com um deles, os militares encontraram um revólver calibre 38.

(Durante a fuga, os criminosos atropelaram um casal.)

Hudson disse para os militares que entregaria o carro roubado no Bairro Rouxinóis. No endereço, os policiais encontraram Osmar Ferreira de Souza, vulgo ‘Chapéu Preto’ ou ‘Velhinho’, que foi detido no local.

Osmar afirmou que teria recebido o valor R$ 100 para emprestar seu carro, um VW Gol, no qual a dupla cometeu o crime. Em outro endereço, a polícia recuperou um Chevrolet Prisma e uma motocicleta que também tinham sido roubados.

O casal atropelado foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e levado para UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Bairro Aero Rancho.

Depoimento

Durante os depoimentos da audiência de custódia, os criminosos alegaram que foram torturados pela polícia. Segundo eles, os militares teriam usado saco plásticos com a intenção de sufocá-los. Conforme a assessoria de imprensa do Fórum, a Juíza determinou que todos sejam encaminhados para a realização de perícia e que o fato seja oficiado ao Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gacep).