TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
domingo, 26 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Polícia

Um mês depois, feminicídio de Bruna permanece envolto em mistérios

Crime aconteceu no início de setembro, mas investigações "emperraram" e caso ficou sem solução

05 outubro 2021 - 17h00Por Vinicius Costa

A Polícia Civil encara grandes dificuldades para dar continuidade nas investigações sobre o feminicídio de Bruna Moraes Aquino, de 22 anos, no Jardim Itamaracá, em Campo Grande. No dia 1° de outubro, o caso completou um mês.

O delegado Nilson Friedrich, da 4° Delegacia de Polícia, limitou-se a dizer que o crime "está bem nebuloso", mas que prossegue com as investigações para tentar solucionar e desvendar o mistério.

Recentemente, a polícia chegou a afirmar haver um suspeito na mira, mas as dificuldades do caso impossibilitaram um avanço contra o possível autor do feminicídio.

Durante o mês de setembro, houve uma rodada com novos depoimentos e versões apresentadas para a polícia, mas o delegado preferiu não dizer detalhes para não atrapalhar as investigações.

Morte

Bruna Moraes Aquino, 22 anos, foi assassinada na noite de 1º de setembro, em Campo Grande. A jovem estava em um WV Gol, com o namorado, quando foi atingida por disparo de arma de fogo. Ela deixa uma filha de 1 ano.

Conforme informações do boletim de ocorrência, a Polícia Militar foi acionada, por volta das 20h, para ir até à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Universitário. 

No local, os militares foram informados que a jovem e o namorado de 34 anos haviam dado entrada com ferimentos de arma de fogo. Diante das informações, os militares foram até a rampa de acesso da emergência e encontraram Bruna morta no carro. 

Em contato com o namorado, ele informou estarem no veículo no Jardim Itamaracá quando foram atingidos. Ele contou que o atirador estava de roupas escuras, usava capacete e efetuou de 3 a 4 disparos.