tce janeiro
Menu
quinta, 27 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Bolsonaro é contra Carnaval, mas aglomerou muito; deputados indicam incoerências

Presidente disse que é contra Carnaval, mas aglomerou em motociatas, protestos, encontros e não usou máscara durante a pandemia

26 novembro 2021 - 19h00Por Rayani Santa Cruz

Os deputados Fábio Trad (PSD), Dagoberto Nogueira (PDT) e Vander Loubet (PT) acreditam que o presidente Jair Bolsonaro seja incoerente e contraditório quando comenta diversos temas. Nessa quinta-feira (25), Bolsonaro afirmou que, “por ele, o Brasil não terá Carnaval em 2022”, mas promoveu diversas aglomerações durante a pandemia. 

Bolsonaro afirmou ao mesmo tempo que "não quer entrar em polêmica, pois quem vai decidir são os governadores e prefeitos", porém durante a pandemia ele reclamou da autonomia dos gestores em decisões. Bolsonaro também participou de dezenas de motociatas, protesto de 7 de Setembro, e permaneceu por diversas ocasiões sem máscara e não tomou a vacina contra a covid-19.

Questionado sobre o que pensam dessa situação, o deputado Fábio Trad disse que "é caso de psiquiatria".

"Só a psiquiatria clínica para saber o que se passa na mente de Bolsonaro. Incoerências e contradições são normais em sua trajetória política." 

Em Mato Grosso do Sul é planejado ocorrer a festa de Carnaval em 2022, caso o cenário esteja dentro da normalidade. Sobre o assunto, Trad diz as orientações sanitárias devem ser ouvidas.

"Penso que devem ser ouvidos os especialistas em saúde pública. Se eles autorizarem, concordo; caso contrário, devemos evitar riscos de novas ondas de contaminação."

Perdeu credibilidade

De oposição, Dagoberto Nogueira diz que o presidente é "é a própria incoerência em pessoa. É lamentável que nosso país tenha um presidente negacionista, incompetente e irresponsável como ele, ainda mais em um momento de crise como o da Pandemia da COVID-19."

Para ele, Bolsonaro perdeu credibilidade há muito tempo. "Praticamente nada do que ele fala se aproveita. Ele atrasou a aquisição de vacinas, divulgou tratamentos precoces ineficazes, promoveu e incentivou aglomerações, nunca usou máscara, entre outras ações absurdas durante toda a pandemia. Creio que chegamos em um momento que suas opiniões absurdas perderam a credibilidade"."

Em relação ao Carnaval 2022 em MS, o parlamentar também pontua que a decisão deve ser sob orientação sanitária.

"A definição da realização ou não do Carnaval precisa ser das autoridades de saúde e dos Governos dos Estados que estão desde o início da Pandemia na linha de frente das ações de combate e contenção. Em Mato Grosso do Sul fomos um dos Estados que mais vacinou e que teve ações concretas e eficazes de combate a Covid-19, tenho certeza que a melhor decisão será tomada".

Hipocrisia

O deputado Vander Loubet (PT) indicou que o comportamento é hipócrita. 

" A incoerência e a hipocrisia são marcas do Bolsonaro e do seu governo. Isso é um fato. Porém, independente disso, acredito que a opinião dele, a minha e a de qualquer outro político não é relevante, pois a opinião que temos que nos atentar é a opinião dos cientistas e pesquisadores do tema. A decisão de termos carnaval ou não, acredito eu, deve ser embasada por aquilo que os especialistas em saúde avaliam."

 

Questionado sobre a festa em MS, Vander disse que há muitas cidades e estados - como o próprio Mato Grosso do Sul - que estão bem avançados na vacinação e teoricamente isso poderia permitir a realização das festas. "Por outro lado, novas variantes estão surgindo e estamos vendo um novo surto de Covid-19 em outros países. Então uma decisão como essa precisa ser muito bem avaliada. Precisamos nos ater à opinião e análise dos especialistas em saúde."