Menu
terça, 29 de setembro de 2020
Política

Coaf no ministério da Economia só depende da canetada de Bolsonaro

Da bancada de MS, 5 dos 11 parlamentares, tiraram o Conselho do ministério de Moro

03 junho 2019 - 13h10Por Celso Bejarano, de Brasília

Declarações de parlamentares de Mato Grosso do Sul que integram a bancada federal (8 deputados federais e 3 senadores) de que estariam “revendo” seus votos e que mudariam de ideia quanto a retirada do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) das mãos do ministro Sérgio Moro (Justiça), viraram palavras vazias.

Até semana passada, por exemplo, o senador Nelson Trad (PSD), que votou pela ida do Coaf para o ministério da Economia, afirmou que pensava em reconsiderar seu parecer.

No Senado, ele e a senadora Soraya Thronicke (PSL), apoiaram a ideia de o conselho que descobre as atividades financeiras suspeitas e as remetem para a investigação, fosse tirado do ministério da Justiça.

A senadora Simone Tebet (MDB), antes de votar pelo Coaf na Justiça disse ter conversado por duas ocasiões com o ministro, daí, disse ela, foi "convencida" da necessidade de o controle de atividades financeiras ficar com Moro.

O conselho é responsabilidade de Sérgio Moro desde janeiro passado, assim que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tomou posse.

Já na Câmara Federal, três dos oito deputados federais votaram contra a permanência do Coaf  na Justiça: Bia Cavassa, Beto Pereira, ambos do PSDB e Vander Loubet, do PT.

A medida que tirou o Coaf de Moro foi aprovada pela Câmara dos Deputados, votação reforçada depois pelo Senado Federal. Agora, resta apenas a canetada do presidente Bolsonaro.

Equipe do presidente afirmou que o governo federal trabalhou para o Senado confirmar a votação da Câmara Federal por temer perdas e apoiar pautas que Bolsonaro acha “mais importante”.

Informações indicando que o presidente poderia manter o Coaf com Moro, por meio de decreto, circularam na Câmara e no Senado, mas depois foram negadas. Legalmente, por decreto, o presidente poderia conduzir o Conselho para o ministério da Justiça, contudo, a decisão poderia inflamar ainda mais a relação política dele com o Congresso.

O Coaf na pasta de Moro foi pregado à exaustão na campanha eleitoral de Bolsonaro.

 

 

 

Leia Também

Após fazer matrícula e visitar academia homem morre no Aero Rancho
Polícia
Após fazer matrícula e visitar academia homem morre no Aero Rancho
Tempo segue seco e sem chuva, calorão predomina na Capital
Cidades
Tempo segue seco e sem chuva, calorão predomina na Capital
Proteção? CRM arquivou três sindicâncias contra médico acusado de assédio sexual
Polícia
Proteção? CRM arquivou três sindicâncias contra médico acusado de assédio sexual
Campo Grande e 29 cidades recebem alerta de tempestades nesta segunda-feira
Cidades
Campo Grande e 29 cidades recebem alerta de tempestades nesta segunda-feira