Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Política

Contra déficit de sono e assaltos, deputado de MS pede o fim do horário de verão

Parlamentar diz que medida causa prejuízos aos brasileiros e não garante economia de energia elétrica

06 março 2019 - 16h46Por Amanda Amaral

O deputado federal Luiz Ovando (PSL-MS) propôs na Câmara pelo fim do horário de verão no Brasil. A justificativa apresentada é que a mudança no relógio prejudica a população, causando problemas de saúde e segurança pública.

Ovando chama a medida de ‘malfadada’ e afirma que os mais afetados são os cidadãos de menor poder aquisitivo, que são obrigados a levanta cedo, quando ainda está escuro, e caminhar por vias públicas mal iluminadas até um ponto de ônibus, uma estação de trem ou mesmo até o local de trabalho. Isso representaria, segundo ele, risco de assaltos e outros tipos de violência.

Ainda, conclui no pedido que o horário de verão afeta negativamente no ciclo de sono, causando “estresse com descarga adrenérgica e consequente hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia, constipação intestinal e precipitação de eventos cardiovasculares que ceifam a vida precocemente”, por conta da quebra no ciclo de luminosidade. Ele frisa a questão do aprendizado de crianças em idade escolar, que teriam a capacidade de concentração reduzida.

O horário de verão no Brasil foi adotado pela primeira vez em 1 de outubro de 1931, através do Decreto 20.466, abrangendo todo o território nacional. Hoje, é adotado pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

“A principal justificativa para todos esses transtornos seria uma suposta economia de energia elétrica, que, se já existiu no passado, hoje não tem nenhuma relevância. [...] O Operador Nacional do Sistema (NOS) concluiu que o horário de verão apresenta efeito nulo sobre o consumo de energia elétrica. Também a afirmativa de que o horário de verão permitiria importante redução da demanda de ponta no Sistema Interligado Nacional (SIN) perdeu a sustentação, mercê das alterações nos padrões de consumo de eletricidade verificadas nos últimos anos”, conclui.

O Projeto de Lei 1220/2019 foi apresentado em 27 de fevereiro e aguarda por despacho do presidente da Casa de Leis em Brasília. Tramitam na Câmara dos Deputados outros projetos de lei sobre o mesmo assunto, entre eles os de autoria dos deputadosMário de Oliveira (PSC-MG), Armando Abílio (PTB-PB) e Valdir Colatto (PMDB-SC).

Leia Também

De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Geral
De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Geral
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido
Cidade Morena
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido
Picape carregada com calhas capota e deixa mulher com ferimentos graves em Dourados
Interior
Picape carregada com calhas capota e deixa mulher com ferimentos graves em Dourados