TJ BANNER JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sábado, 25 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Política

Deputado diz que movimento 'pró-Lula' deve chegar em breve a MS

PT tenta emplacar pré-candidatura a governo de Giselle Marques e vinda de Lula pode dar uma força

16 maio 2022 - 10h33Por Rayani Santa Cruz

Enquanto o PT de Mato Grosso do Sul, tenta emplacar a pré-candidatura de Giselle Marques a governo, o deputado federal Vander Loubet diz que movimento pró-Lula deve chegar em breve ao Estado. 

Na última quinta-feira (12), o ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato a governador de Minas Gerais Alexandre Kalil (PSD) declarou que deseja fazer uma aliança formal com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por meio de suas contas em redes sociais. 

O desejo não é à toa já que a pesquisa Genial/Quaest divulgada na sexta-feira (13) aponta que, com o apoio lulista, Kalil chega a ter 53% de intenção de votos válidos.

O movimento do pré-candidato vem após rumores causados pela sua ausência nas agendas cumpridas pelo ex-presidente em Minas. Kalil não participou das atividades com Lula e isso abriu margem para a leitura de que o pesededista não estaria interessado em uma aliança com o petista.

Para o deputado federal Vander Loubet, principal articulador político do Partido dos Trabalhadores em Mato Grosso do Sul, esse movimento ocorrido em Minas Gerais deve em breve atingir outros estados, inclusive MS.

"Como tenho dito, não há espaço para a terceira via. Essa eleição presidencial será uma eleição polarizada entre Lula e Bolsonaro. Aliás, eu iria além, acho que será uma eleição plebiscitária. Por isso, as candidaturas de governadores nos estados vão ter que tomar um caminho. Quem ficar em cima do muro pode não ter chance de vitória", pontua o parlamentar pantaneiro.

De acordo com Vander, a tendência é que a pré-candidatura da advogada Giselle Marques ganhe corpo e volume à medida em que o apoio de Lula ficar consolidado na visão do eleitorado. O deputado defende que Giselle poderia herdar pelo menos metade do percentual de votos de Lula em MS, o que poderia colocá-la no segundo turno.

O petista ainda acredita que o potencial de transferência de voto, tanto de Lula quanto de Bolsonaro, aumentará a pressão sobre os pré-candidatos que ainda não tomaram uma posição.

"Mais cedo ou mais tarde, todos os pré-candidatos de Mato Grosso do Sul terão que anunciar seus caminhos. E por termos aqui um cenário de dois turnos, anunciar mais cedo essa definição pode ser determinante para ter vantagem lá na frente", conclui Vander.