Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Política

Deputado 'ex-gay' quer instaurar “Dia do Orgulho Heterossexual” por temer extinção

“Se nada for feito para impedir, muito em breve tornar-se-á crime ser ou se declarar heterossexual”, delira o parlamentar

22 fevereiro 2019 - 07h30Por Da redação / Veja

O deputado Pastor Sargento Isidório (AVANTE-BA) conseguiu apresentar o projeto de lei mais esdrúxulo de 2019, não pelo conteúdo em si, mas pela justicativa apresentada. Ele quer instaurar o “Dia Nacional do Orgulho Heterossexual”.  Até ai, ok. Ele não é o primeiro.

Isidório superou-se mesmo na justicativa. A nobre excelência quer “evitar o sangue na canela”, caso, inexplicavelmente, “criminalize-se a homofobia”. “Se nada for feito para impedir, muito em breve tornar-se-á crime ser ou se declarar heterossexual”, delira.

“Nós, legisladores, nos preocupamos com a preservação da tartaruga, do macaco prego, da baleia, dentre outros animais em risco de extinção. Por óbvio, é de suma importância centrar atenção também em nós seres humanos machos e fêmeas”, completa em devaneio.

'Ex-gay'

O pastor Sargento Isidório (Avante-BA) alcançou 323.264 votos para deputado federal e tornou-se o candidato com melhor desempenho em seu estado. Apelidado pela imprensa como “Daciolo da Bahia”, o político evangélico – que se apresenta como “ex-gay” – é parte de um seleto grupo de parlamentares que alcançou votação necessária para se eleger sem influência do coeficiente eleitoral.

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar