TJMS AGOSTO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sexta, 12 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
SENAI SUPER BANNER JULHO E AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
Política

Fábio Trad integra comissão especial que atualizará leis processuais penais no Brasil

Três anos após presidir comissão que modernizou o Código de Processo Civil, parlamentar recebe missão de integrar o colegiado que reformulará as leis processuais penais do País

28 março 2019 - 12h04Por Redação

Legitimado pela experiência de presidir a comissão que há três anos reformulou o novo Código de Processo Civil (CPC), o deputado federal Fábio Trad (PSD-MS) teve nesta semana seu nome  indicado pela liderança do partido para integrar o colegiado de parlamentares que discutirá o novo modelo de Código de Processo Penal no Brasil (CPP).

O ofício foi encaminhado na tarde desta terça-feira (26) pelo líder do PSD na Câmara, deputado André de Paula (PSD-PE) ao presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (MDB-RJ), e solicita que a Secretaria Geral da Mesa Diretora tome as providências cabíveis para que a indicação do parlamentar sul-mato-grossense seja devidamente regulamentada.

Tão logo soube da indicação, o deputado compartilhou a informação com seus seguidores em sua conta no Twitter. “Feliz com a oportunidade de contribuir com a reforma do Código de Processo Penal. Mais uma missão em defesa do aperfeiçoamento das leis do país. Aceito sugestões e ideias”, disse Trad, que também é advogado e mestre em Direito Penal.

Redigido em 1941, ainda na ‘Era Vargas’, o CPP guarda uma série de incompatibilidades com a Constituição brasileira de 1988. Algumas alterações legislativas foram realizadas em 2008 porém, ante sua insuficiência, o Senado Federal determinou a formação de comissão de juristas para elaborar o projeto do novo código (PLS 156/09).

Renomeado na Câmara dos Deputados como PL 8045/10, o texto teve parecer apresentado na comissão especial, porém não chegou a ser votado.

Seguindo o cronograma regimental da nova legislatura, o colegiado deve ser reinstalado nos próximos dias e os trabalhos retomados assim que forem definidos os parlamentares que integrarão a mesa diretora e a relatoria.

Entre outras alterações, o PL 8045/10 diminui o número de recursos judiciais e prevê julgamentos mais rápidos para crimes leves em caso de confissão pelo réu, além de prisão apenas depois de concluída a tramitação do processo no Judiciário (trânsito em julgado). Segundo especialistas, se o novo CPP estivesse em vigor nos últimos 25 anos, a população carcerária seria 50% menor.

“Nossa missão é a de elaborar um projeto que organize a justiça penal do País, traga mais agilidade aos processos e priorize a conciliação. Enfim, que seja um conjunto de leis célere porém garantista, no sentido de ser constitucionalizado”, advertiu Fábio Trad, que celebrou também o fato de Mato Grosso do Sul novamente estar representado em uma comissão que debaterá assuntos de relevância e abrangência nacional.