Menu
Busca sexta, 06 de dezembro de 2019
Política

Gasto sigiloso de Bolsonaro ultrapassa Temer e empata com Dilma

Análise do (M)Dados revela que Bolsonaro gastou de R$ 1 a R$ 79,3 mil em compras com informações sigilosas

01 dezembro 2019 - 14h50Por Willian Leite com Metropoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu entorno consumiram, até agosto deste ano, pouco mais de R$ 9,8 milhões com gastos sigilosos no Cartão de Pagamento do Governo Federal (CPGF). O valor equivale a uma média de R$ 1,2 milhão por mês.

Esse número, por sua vez, é superior ao que foi desembolsado no mesmo período pelo governo de Michel Temer (MDB) – 2017 e 2018 – e empata com os gastos da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) nos últimos dois anos de seu mandato: 2015 e 2016. No dia 31 de agosto, ela foi afastada do cargo.

O levantamento foi realizado pelo (M)Dados, núcleo de análise de grande volume de informações do Metrópoles, e englobou os gastos em sigilo do CPGF desde 2015, último ano completo do governo petista. Foram considerados os valores entre janeiro e agosto.

Contando todos os gastos sigilosos do governo, o que abarca os ministérios, foram desembolsados R$ 17 milhões com o cartão no período analisado. Depois da Presidência da República, que desembolsou R$ 9,8 milhões, as pastas que mais gastaram com compras sem detalhamento foram o Ministério da Justiça, com R$ 6,8 milhões, e o Ministério da Economia, de Guedes, com R$ 209 mil.

Em 2018, o governo de Michel Temer desembolsou R$ 15,1 milhões e, em 2017, R$ 15,5 milhões. Só o entorno do presidente emedebista gastou, respectivamente, R$ 8 milhões (53,5% do total) e R$ 7,4 milhões (48,1%).

Alvo de críticas por conta dos gastos sigilosos, a ex-presidente Dilma Rousseff gastou quase o mesmo valor que Bolsonaro. Foram R$ 10,2 milhões (51,5%) em 2016 e o mesmo valor no ano anterior, o que representou 51% do total. O seu governo, como um todo, teve gastos de R$ 19,9 milhões tanto em 2015 quanto em 2016.

Bolsonaro

No total, o atual presidente fez 13.253 compras registradas como informações sigilosas. De um lado da balança, houve uma que custou apenas R$ 1 de dinheiro público. Do outro, a mais cara chegou a R$ 79,3 mil.

Procurado, o Palácio do Planalto não respondeu as questões do Metrópoles e indicou à reportagem encaminhar a demanda à Secretaria-Geral da Presidência. A pasta também não se manifestou até a última atualização desta matéria. O espaço continua aberto.

Também chamado de cartão corporativo, o CPGF foi desenvolvido, segundo o Tesouro Nacional, para facilitar o dia a dia da administração pública e dos servidores para pagamento de bens, serviços e despesas autorizadas que dispensem licitação.