Menu
segunda, 28 de setembro de 2020
Política

GUANANDIZÃO: com obra licitada, empresa tenta cobrar mais caro, dá o cano e atrasa serviço

Espaço estava previsto para ser entregue no aniversário da Capital; prefeitura não vai aumentar licitação e aguarda segunda colocada do certame

20 março 2019 - 19h00Por Rodson Willyams

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) informou, nesta quarta-feira (20), durante o lançamento do pacote de obras do Programa ‘Juntos por Campo Grande’, que a empresa vencedora da licitação para revitalização do Ginásio Guanandizão não conseguirá sequer iniciar as obras.

A empresa teria solicitado um aditivo para poder mexer no local, sendo que, no edital, a empresa Ajota Engenharia e Construção Ltda assinou que faria o serviço no valor de R$ 1,8 milhão, em um período de até oito meses.

Indignado, Marquinhos contou sobre o problema. “Não vou dar aditivo”, frisou o prefeito. “Jogam o preço lá embaixo e atrasam o andamento da obra em um ano”, enfatizou.

Segundo ele, agora o município terá que chamar a segunda colocada no certame, que pode ou não aceitar o projeto. “Chamamos a segunda colocada e eles estão no prazo para responder”.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que também conta com investimento no local, afirmou que o dinheiro ficará na conta até que o problema seja resolvido. “Eles mergulham no preço, depois vão ver a planilha e acabam vendo que não vão dar conta. E nós já falamos que não vai ter reajuste”.

Reinaldo ainda reiterou que é preciso mudar a lei das licitações. “Há um projeto que está em trâmite na Câmara Federal. É preciso fazer mudanças. Hoje, um cidadão que não cumpre com as suas obrigações, o Estado deixa ele inidôneo. O que ele faz? Vai lá abre outra empresa com outra pessoa, disputa licitação e a gente não pode fazer nada”.

Caso a segunda empresa não concorde com o valor da licitação ofertada, uma nova concorrência poderá ser feita pelo município.

Cronograma de obras

Segundo o site oficial da prefeitura de Campo Grande, a Ajota Engenharia e Construção Ltda seria a responsável pela  reforma e revitalização do Ginásio Poliesportivo Avelino dos Reis, o Guanandizão, interditado há cinco anos e que deveria ser reaberto dentro  das comemorações do aniversário de Campo Grande, em 2019. O resultado da licitação foi divulgado  na edição de 13 de dezembro de 2018, no Diário Oficial do Município (Diogrande).

Na ocasião, a disputa na concorrência reduziu em 18,75% o preço de referência do projeto, gerando uma economia de R$ 434.538,29. De R$  2.3156.740,11, o custo da obra caiu para R$ 1.881.538,29. A empresa faria reparos e vedação de buracos na cobertura, instalação de tela de proteção em torno do ginásio (para evitar a proliferação de pombas), revitalização do piso interno, substituição do vinil da quadra, reforma e execução de calçada externa com acessibilidade, regularização e pintura das quadras de esporte externas, entre outras benfeitorias. A obra, chegou a ser iniciada pela prefeitura no primeiro trimestre de 2019 e a previsão de conclusão seria de oito meses a partir da ordem de serviço.

O ginásio

O Guanandizão, com capacidade para receber 8.240 pessoas, foi construído há 34 anos pelo Estado, já sediou shows como o de Roberto Carlos (em 2013) e eventos esportivos como a etapa da Liga Mundial de Vôlei entre Brasil e Portugal (2004). Desde 2012 é administrado pela Prefeitura de Campo Grande, mas no ano seguinte (2013) foi fechado pelo Corpo de Bombeiros por falta de projeto de controle e prevenção de incêndio.

Leia Também

VÍDEO: tanque de vinho explode e causa enxurrada com 50 mil litros
Geral
VÍDEO: tanque de vinho explode e causa enxurrada com 50 mil litros
Mesmo com 60 mil recuperados, taxa de letalidade por Covid em MS preocupa
CORONAVÍRUS
Mesmo com 60 mil recuperados, taxa de letalidade por Covid em MS preocupa
Governo investe R$ 5,4 milhões em munições para a Polícia Civil e Militar
Polícia
Governo investe R$ 5,4 milhões em munições para a Polícia Civil e Militar
Deputados discutem ações contra queimadas e leis para punir responsáveis
Política
Deputados discutem ações contra queimadas e leis para punir responsáveis