Menu
domingo, 26 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
Política

Ida de Lula ao enterro do neto é “questão da Justiça”, afirma Mourão

Quando o irmão do ex-presidente morreu vice-presidente afirmou que a permissão para que ele saísse era questão “humanitária”

02 março 2019 - 11h16Por De redação/Metrópoles

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), optou por não se manifestar sobre o direito de liberação para o ex-presidente Lula ir ao enterro de seu neto. Questionado, ele falou que essa é “uma questão da Justiça, e devemos aguardar que decidam”.

No fim de janeiro, com a morte do irmão mais velho de Lula, Genival Inácio da Silva, Mourão disse que a saída de Lula era uma “questão humanitária”. Conhecido como Vavá, faleceu aos 79 anos em decorrência de um câncer no pulmão. A defesa do ex-presidente pediu para que ele pudesse sair e acompanhar o enterro, como é previsto no artigo 120 da Lei de Execução Penal.

O neto de Lula, que tinha 7 anos de idade, faleceu na manhã desta sexta, vítima de meningite meningocócica. A defesa do ex-presidente já entrou com pedido na Justiça para liberar o petista. O neto de Lula, que tinha 7 anos de idade, chamava-se Arthur Araújo Lula da Silva e morreu nesta sexta-feira (1º), vítima de meningite. Ele chegou debilitado e com febre alta ao Hospital Bartira, da rede D’Or, em Santo André, no ABC paulista, mas o quadro se agravou e ele não resistiu.

Arthur é filho de Sandro Lula da Silva, o caçula de Lula com Marisa Letícia. A mãe do garoto chama-se Marlene Araújo. O enterro está marcado para a tarde deste sábado (2/3), em Santo André. Segundo o advogado Cristiano Zanin, que faz a defesa do ex-presidente, o político já foi informado do falecimento, e a defesa já protocolou pedido para que ele deixe a carceragem e possa acompanhar o enterro do seu neto.