TJMS JULHO 2024

terça, 23 de julho de 2024

Busca

terça, 23 de julho de 2024

Link WhatsApp

Entre em nosso grupo

2

WhatsApp Top Mídia News
Política

há 1 mês

Lula diz que acha equivocado taxar 'blusinhas', mas vai manter acordo

O fim da isenção sobre as "blusinhas" foi aprovado pelo Congresso Nacional e, agora, depende da sanção do presidente Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a criticar, nesta terça-feira (18/6), a taxação sobre compras internacionais de até US$ 50. O chefe do Executivo garantiu que vai manter o acordo sobre o fim da isenção “pela unidade entre Congresso e governo”, mas que considera a medida “equivocada”.

O fim da isenção foi aprovado pelo Congresso Nacional e, agora, depende da sanção do presidente.

“Por que taxar US$ 50? Por que taxar o pobre e não taxar quem vai no ‘freeshop’ e gasta mil dólares? É apenas uma questão de consideração com o povo mais humilde desse país. A pessoa gastar US$ 50 e ter que pagar imposto, e o cara que gasta US$ 2 mil não paga?”, questionou o presidente, comparando a taxação com o limite de isenção para compras feitas no exterior.

“Essa foi minha divergência, por isso eu vetei. Depois, houve uma tentativa de fazer um acordo, houve um acordo, eu assumi o compromisso de que aceitaria colocar o PIS e Cofins para a gente cobrar, [o] que dá mais ou menos 20%. Isso tá garantido. Eu tô fazendo isso pela unidade do Congresso e do governo. Eu, pessoalmente, acho equivocado a gente taxar as pessoas humildes que gastam 50 dólares”, destacou Lula em entrevista à CBN.

Durante a entrevista, Lula também rebateu as queixas de empresários de que a isenção traria prejuízos para o mercado nacional. “Os empresários precisam provar que isso está acontecendo. Porque essas coisas que são vendidas a 50 dólares, normalmente, não estão nas lojas que estão se queixando. Tem que provar que tem prejuízo”, disse Lula.

O presidente também criticou a inclusão da emenda das blusinhas em meio ao projeto que institui o programa de Mobilidade Verde e Inovação (Mover). O texto original previa apenas as diretrizes referentes à proposta do governo federal para descarbonização da indústria automotiva.

“Eles [empresários] nem discutem com o governo, vão diretamente no deputado e pedem para fazer uma emenda. Essa emenda das blusinhas entrou no programa Mover, que não tinha nada a ver com isso. Foi um jabuti colocado no Congresso Nacional. E aí você tem que ficar transformando esse jabuti em realidade, sem nenhum critério. Isso me deixou irritado, profundamente irritado”, criticou.

Loading

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias
AMIGOS DA CIDADE MORENA ABRIL NOVEMBRO