(67) 99826-0686
Origem - entregas

No apagar das luzes, prefeitura dá mais R$ 300 mil a empreiteira do tapa-buraco fantasma

Valor pago pelos serviços subiu de R$ 2.099.344,94 para R$ 2.429.208,47

27 DEZ 2016
Thiago de Souza
13h30min
Empreiteira realiza obras de tapa buraco em Campo Grande Foto: Arquivo

A Prefeitura Municipal de Campo Grande vai pagar mais R$ 329,863,53 mil a empreiteira Selco, a mesma que foi flagrada no início de 2015 tapando buracos que não existiam em Campo Grande. Já é o quinto termo aditivo celebrado entre as partes. 

Conforme publicação no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), haverá reajuste no valor do contrato número 187/2012. Segundo o texto,o acréscimo é referente aos reajustes setoriais. O valor total dos serviços passaram de R$ 2.099.344,94 para R$ 2.429.208,47. 

O instrumento do contrato e do reajuste foram assinados pelo secretário Amilton Cândido de Oliveira, titular da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Trânsito), pela secretária Municipal de Educação, Leila Machado e Denis Puliti Simioli, que representa a Selco.   

Flagra

No dia 22 de janeiro de 2015, o flagrante do "buraco fantasma" foi feito por um vídeo, gravado pelo porteiro de um prédio em frente ao local onde o serviço foi feito e enviado para a reportagem do TopMídiaNews. O executivo municipal chegou a anunciar a suspensão dos serviços com a empresa, o que não chegou a ser oficializado em Diário Oficial e mais tarde o contrato que havia sido suspenso voltou a vigorar.

A empresa mantinha um contrato anual de  R$ 5,918 milhões com a Prefeitura Municipal de Campo Grande, conforme publicado do Diogrande (Diário Oficial do Município), no dia 14 de novembro de 2014. Segundo a publicação, a empresa teve o serviço com a administração municipal renovado em 30 de outubro daquele mesmo ano.

Em junho de 2015, a prefeitura prorrogou o contrato com a Selco por 180 dias. No entanto, ainda na administração de Gilmar Olarte (PP por liminar), em julho do ano passado ratificou o contrato e estendeu os serviços até 11 de março de 2016. No ano passado, a empresa acabou beneficiada por três vezes, após o escândalo do buraco fantasma. 

Veja também