CORUMBÁ 21 A 23/06/21
TCE 21 a 27/06/2021
Menu
terça, 22 de junho de 2021
MEDIDAS RESTRITIVAS 19/06 a 30/06/2021
Política

Procuradora do MP-MS, Jaceguara será homenageada pelo Congresso Nacional

Ela será condecorada por destacar na luta pelos direitos das mulheres no Brasil

25 março 2019 - 12h50Por Celso Bejarano, de Brasília

A procuradoria de Justiça do MP-MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), Jaceguara Dantas da Silva, recebe, amanhã, em Brasília, o 19º Diploma Bertha Lutz, solenidade que condecora personalidades que se destacam na luta pelos direitos das mulheres no Brasil. Jaceguara é uma das homenageadas por indicação da senadora Simone Tebet (MDB).

Bertha Lutz morreu em 1976, aos 82 anos de idade. Ela é nome de respeito para movimento feminista no país – segunda mulher a se tornar deputada federal na história do Brasil. A primeira parlamentar federal foi a médica paulista Carlota Pereira de Queirós.

A bancada feminina do Congresso Nacional decidiu, neste ano, saudar um homem e 23 mulheres, entre as quais 11 que já morreram, destas Marielle Franco, a vereadora do Rio de Janeiro morta a tiros no passado e atriz e cantora Bibi Ferreira, que morreu em fevereiro passado.

“A doutora Jaceguara é daquelas mulheres que fazem a diferença e nos orgulham”, afirmou a senadora justificando a escolha pela procuradora para receber o diploma Bertha Lutz.

Jaceguara atua em questões ligadas aos direitos humanos, principalmente em caso de violência contra a mulher, racismo e ainda em programas de atenção às pessoas com deficiência.

Simone Tebet afirmou ainda que a entrega do diploma, instituído pelo Senado desde 2001, é a “sessão solene mais importante do Congresso Nacional”.

A segunda deputada federal da história do Brasil, Bertha, era bióloga e advogado e foi a primeira mulher a integrar uma delegacia diplomática brasileira, em 1945, na conferência em que foi redigida a Carta das Nações Unidas. A ex-parlamentar também integrou a delegação brasileira à Conferência do Ano Internacional da Mulher, no México, em 1975. (com informações da Agência Senado).

Homenageadas Prêmio Bertha Lutz 2019

   

Indicadas

Indicadas in memoriam

Hermínia Maria Silveira Azoury – juíza de Direito

Heley de Abreu Silva Batista – professora que morreu tentando salvar crianças de um incêndio numa creche em Janaúba (MG)

Marcia Abrahão Moura – professora universitária

Maria Esther Bueno – maior tenista brasileira

Iolanda Ferreira Lima – primeira governadora de estado (Acre)

Laélia Alcântara – médica e ex-senadora

Helena Barros Heluy – advogada e ex-deputada

Marielle Franco – socióloga e vereadora do Rio de Janeiro

Iracy Ribeiro Mangueira Marques – juíza de Direito

Fabiane Maria de Jesus – dona de casa, espancada e morta depois de ser falsamente acusada de magia negra

Leiliane Silva – vendedora (ajudou a salvar o  motorista de caminhão preso às ferragens, no acidente que envolveu o helicóptero em que estava o jornalista Ricardo Boechat)

Alzira Soriano – primeira prefeita do Brasil (Lajes-RN)

Maria Lucia Fattorelli – coordenadora da  Auditoria Cidadã da Dívida

Eudésia Vieira – médica

Laissa Polyana (Laissa Guerreira) – criança ativista

Helena Meireles – violeira e cantora

Delanira Pereira Gonçalves – música

Bibi Ferreira – atriz e cantora

Jaceguara Dantas da Silva  – procuradora de Justiça

Leide Moreira – poetisa acometida pela Esclerose Lateral Amiotrófica, que publicou dois livros escritos com o movimento dos olhos

Gabriela Manssur – promotora de Justiça

Margarida Lemos Gonçalves – educadora, pesquisadora e missionária batista

Ana Benedita de Serqueira e Silva  (Tia Naninha) – produtora de biscoitos artesanais