Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Política

PT insiste em tese de “golpe” e anuncia boicote à posse de Bolsonaro

Pela primeira vez desde a redemocratização, bancada do PT não estará no Congresso durante a posse do novo presidente

28 dezembro 2018 - 14h50Por Da redação / Último Segundo

O Partido dos Trabalhadores anunciou nesta sexta-feira (28) que irá boicotar a cerimônia de posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), marcada para o dia 1º de janeiro. Será a primeira vez em que representantes do PT não estarão presentes a uma posse presidencial desde a redemocratização do país. Em nota assinada pela presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmmann, e pelos líderes do partido na Câmara e no Senado, Paulo Pimenta e Lindbergh Farias, respectivamente, a direção petista explica que a ausência das bancadas na cerimônia de posse no Congresso Nacional se dá em protesto contra posições de Bolsonaro e em resposta ao "ódio do presidente eleito contra o PT ".

"Não compactuamos com discursos e ações que estimulam o ódio, a intolerância e a discriminação. E não aceitamos que tais práticas sejam naturalizadas como instrumento da disputa política", dizem os petistas. A cúpula do partido também afirma que as ações de Bolsonaro são "expressão de um projeto que, tomando de assalto as instituições, pretende impor um Estado policial e rasgar as conquistas históricas do povo brasileiro".

"O resultado das urnas é fato consumado, mas não representa aval a um governo autoritário, antipopular e antipatriótico, marcado por abertas posições racistas e misóginas, declaradamente vinculado a um programa de retrocessos civilizatórios", ataca a cúpula do partido. Por fim, Gleisi Hoffmann, Paulo Pimenta e Lindbergh Farias armam que o Partido dos Trabalhadores "seguirá lutando" para "aperfeiçoar o sistema democrático e resistir aos setores que usam o aparato do Estado para criminalizar adversários políticos". "Fomos construídos na resistência à ditadura militar, por isso reafirmamos nosso compromisso de luta em defesa dos direitos sociais, da soberania nacional e das liberdades democráticas", finaliza a nota.

A cerimônia de posse de Bolsonaro terá início às 15h do dia 1º, na Catedral de Brasília. O evento deve receber até 500 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios e terá esquema de segurança máxima inédito no Brasil, devido aos temores justificados por repetidas ameaças ao capitão reformado e pelo ataque sofrido por Bolsonaro em Juiz de Fora (MG). O esquema de segurança já está armado para a cerimônia, mas ainda não há confirmação de que Bolsonaro e a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, desfilarão em carro aberto, como fizeram Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas cerimônias anteriores.

Leia Também

Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Cidades
Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Geral
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Política
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais
Geral
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais