Menu
sexta, 27 de novembro de 2020
Política

Puccinelli, filho e advogado 'se livram' de processo no TRF3

No entanto, processo não está encerrado e Justiça Federal irá analisar se há crimes

18 abril 2019 - 13h00Por Rodson Willyams

O ex-governador André Puccinelli (MDB), seu filho André Puccinelli Júnior e o advogado João Paulo Calves foram beneficiados com a suspensão de ação penal referente as investigação da Operação Lama Asfáltica após liminar proferida pelo desembargador federal Paulo Fontes, do TRF3 (tribunal Regional Federal da 3ª Região). Na decisão, o processo e as audiências marcada para abril foram suspensas.

A decisão favorável ocorreu após o advogado José Wanderley acompanhado de mais dois advogados ingressarem com pedido de habeas corpus em favor de André Puccinelli Júnior, filho do ex-governador. Na decisão, o desembargador afirma que "os impetrantes narram as condutas que foram atribuídas ao paciente, relatam que foi apresentada resposta à acusação e que, concomitantemente, houve a propositura de exceção de incompetência do Juízo".

Uma vez que, "no bojo da Operação Lama Asfáltica, foi oferecida denúncia pelo Ministério Público Federal, na qual restou delimitada a acusação em face do paciente e de outros, pela suposta participação nos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em razão do recebimento de vantagens ilícitas, entre 2007 a 2015, a pedido do então Governador André Puccinelli, pai do paciente, para a concessão de benefícios fiscais às empresas do grupo JBS S/A".   

Por meio da defesa do também advogado Puccinelli Júnior, explica que em março de 2019, foi publicada decisão confirmando o recebimento da denúncia. "Tal decisum refutou os argumentos da defesa e, ainda, designou o dia 23.04.2019 para o início da oitiva das testemunhas indicadas pela acusação. A decisão de recebimento da denúncia confirmou a competência da Justiça Federal para a apreciação dos fatos narrados na denúncia, contudo, até a presente data, não decidiu a exceção de incompetência, que está conclusa desde 04.10.2018".

Assim, o desembargador entendeu que: "a impetração noticia que a exceção de incompetência oposta não foi julgada, apesar de ter sido designada audiência de instrução na ação penal. [...] Apesar de o juiz haver respondido à arguição de incompetência na decisão que recebeu a denúncia, mister se faz que decida também a exceção, antes de dar prosseguimento ao feito; observe-se a literalidade da lei, quando assevera que 'recusada a incompetência, o juiz continuará no feito'.

Paulo Fontes ainda chamou a atenção sobre a recente orientação do Supremo Tribunal Federal no sentido de que prepondera a competência da Justiça Eleitoral sobre a Justiça Federal, quando se tratar de crimes conexos afetos a ambas as jurisdições.

E determinou: "sendo assim, mister se faz analisar com mais detença a descrição fática contida na denúncia, a fim de verificar se existem crimes eleitorais envolvidos. Ante o exposto, DEFIRO a liminar para determinar a suspensão da ação penal em questão, inclusive das audiências designadas, até pronunciamento final deste Tribunal nos presentes autos".

O TopMídiaNews entrou em contato com o advogado José Wanderley que informou não poder dar detalhes sobre o processo, uma vez, que possui cláusulas com o seu cliente que não permite falar sobre ações que estão em trâmites.

Leia Também

Vídeo: Marquinhos dá início a toque de recolher e quer 'ação de conscientização'
Cidade Morena
Vídeo: Marquinhos dá início a toque de recolher e quer 'ação de conscientização'
Motociclista 'lançado' por carro na Ceará morre na Santa Casa
Cidade Morena
Motociclista 'lançado' por carro na Ceará morre na Santa Casa
No dia do aniversário, operário é atingido por barra de ferro e morre em Nova Alvorada do Sul
Interior
No dia do aniversário, operário é atingido por barra de ferro e morre em Nova Alvorada do Sul
Vídeo: casa onde chargista foi esquartejado passa por exame com luminol no Monte Castelo
Polícia
Vídeo: casa onde chargista foi esquartejado passa por exame com luminol no Monte Castelo