TJMS - novembro
tce novembro
Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
Saúde

Mãe não consegue vaga em UTI e diz que bebê pode morrer: 'o caso dele é muito sério'

Enquanto aguarda vaga, menino fica internado em uma maternidade. Garoto tem crises com paradas cardiorrespiratórias e precisa de leito com urgência

29 agosto 2019 - 13h47Por Da redação/G1

Um bebê de 1 ano e 3 meses pode morrer se não conseguir uma vaga em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica. Claudenice Souza explica que o filho tem uma doença que dificulta a respiração. Só esse ano ele já deu entrada no Hospital Materno de Gurupi 10 vezes e teve duas paradas cardiorrespiratórias. (Veja o vídeo)

O pequeno sofre com a laringo malácia. A doença congênita da laringe provoca a obstrução parcial da garganta. Durante as crises o paciente não consegue respirar e precisa da ajuda de aparelhos e internação imediata em uma UTI. O caso só é resolvido com cirurgia.

Sem leitos em Gurupi, a mãe tenta a transferência dele para uma unidade de Palmas, mas por causa das dificuldades, precisou acionar o Ministério Público Estadual. "Se não fizer a entubação o mais rápido possível ele pode dar uma parada cardíaca e chegar a óbito. É muito grave. O caso dele é muito sério. Se os médicos ou os órgãos públicos não tomarem uma decisão ele pode ir a óbito", reclamou.

A mulher conta ainda que a permanência do filho na maternidade pode atrapalhar outros pacientes. "O único ventilador que tem está em uso. Se chegar outra criança passando mal a criança pode ir a óbito. Então eles têm que providenciar o mais rápido possível uma vaga de UTI para o bem dele e para outras crianças que podem vir a precisar", disse a mãe.

O outro lado

A Secretaria de Estado da Saúde informou tenta conseguir um leito para a criança, mas enquanto a vaga não é liberada, o paciente recebe toda a assistência necessária da equipe médica.

Sobre os aparelhos de ventilação, o Estado informou que na maternidade existem dois leitos equipados para assistência de até duas crianças simultaneamente, e caso a demanda seja maior, existe a possibilidade de estruturação de mais leitos intermediários.