(67) 99826-0686

PREVENÇÃO: programa pioneiro no País oferece doze exames para gestantes em MS

A grávida realiza exames de toxoplasmose congênita, HIV, entre outros

21 ABR 2019
Dany Nascimento
15h15min
Foto: Marionildo Moreira

Muitas mulheres ainda não têm conhecimento dos direitos oferecidos pelo Programa de Proteção a Gestante, que garante a realização de doze exames para mulheres grávidas. De acordo com a coordenadora geral do IPED (Instituto de Pesquisas, Ensino e Diagnóstico da APAE), Josaíne de Souza Palmieri, o objetivo é impedir a transmissão de doenças infectuosas para os bebês.

“É um programa estadual, pioneiro no Brasil, porque nós utilizamos o método de papel filtro, assim como o teste do pezinho, o exame da gestante é apenas furando o dedo. No momento que ela descobre que está grávida, fura o dedo e realiza 12 exames, essa é a chamada primeira fase. Toda gestante tem direito a realizar esse exame no Estado”, explica a coordenadora.

Segundo Josaíne, caso o resultado seja positivo para alguma doença, a mãe passa a fazer acompanhamento. “Reconvocamos ela para confirmar o resultado, dando positivo, ela faz acompanhamento no seu município de origem, ela não precisa vir até aqui.  Nós temos um ginecologista e infectologista para atender os pacientes. Nesses anos, evitamos que crianças nascessem com sequelas que vinham da mãe como a toxoplasmose congênita, o HIV, entre outros”.

A segunda fase do programa é realizada com 28 semanas, quando outros dois exames são realizados. “São doenças que não apareceram na primeira fase e se manifestam em outro período da vida. Faz exame de sífilis, toxoplasmose e HIV. Ela faz pré-natal normal e na unidade coleta esses exames. Se vier na APAE, também coletam. O médico é responsável por pedir os exames”.

Sobre pacientes que realizam pré-natal com médico particular, a coordenadora conta que eles também têm o direito aos exames ofertados no SUS (Sistema Único de Saúde). “Os próprios médicos solicitam que pacientes façam o exame na IPED por confiar nos nossos resultados. É um direito de todo paciente, desde que ele tenha cartão do SUS”.

Veja também