TCE Novembro
Menu
domingo, 05 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Saúde

Superfungo causa morte de jovem, a primeira na América do Sul

Os casos mais graves ocorrem nos Estados Unidos, Austrália e Espanha. Fungo também está no Brasil, mas até então não havia ocasionado morte

29 novembro 2018 - 08h05Por Da redação / Portal R7

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Medicina Tropical da USP (Universidade de São Paulo) descreveu o primeiro caso de morte por superfungo na América do Sul em um jovem de 17 anos de São Paulo.

O paciente imunodeprimido (com baixa imunidade) havia passado por um transplante de medula óssea e foi infectado pelo Lomentospora prolifican, um fungo multirresistente a medicações antifúngicas utilizadas em tratamentos. O caso ocorreu no final do ano passado, mas foi publicado recentemente no jornal científico Transplant Infectious Diseases.

Segundo a pesquisa, o paciente já possuía uma doença autoimune e o transplante foi o tratamento escolhido para amenizar o problema. Após ter mostrado rejeição ao transplante, mesmo depois de ter recebido alta médica, voltou a ser hospitalizado, pois havia sido infectado pelo fungo. 

"Trata-se de um caso isolado. O paciente era imunodeprimido e estava mais sujeito a contrair infecções. A infecção não foi por meio hospitalar, mas pelo ambiente", afirma João Nóbrega de Almeida Jr., um dos autores do estudo, pesquisador do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Instituto de Medicina Tropical da USP. "A suspeita é de que o jovem tenha contraído o fungo por meio da respiração", afirma.

De acordo com o especialista, os casos mais graves ocorrem na Austrália, Estados Unidos e Espanha, mas isso não significa que outros países não tenham o fungo.

"O fungo Lomentospora prolifican é encontrado no solo e em plantas em decomposição. Ele também está no Brasil, mas nunca ocasionou morte. Essa foi a primeira vez", explica Almeida Jr. O médico ainda explica que, em sistemas imunológicos saudáveis, o fungo pode estar ligado a infecções pulmonares, de pele e das orelhas, mas não origina casos graves como o descrito no estudo.

Almeida Jr. afirma que o fato não deve gerar alarme, pois se trata de um caso que afetou um paciente mais fragilizado. Para o especialista, o caso serve como alerta para equipes médicas e laboratoriais para a rápida identificação e tratamento de agentes fúngicos como esse.

"O que avaliamos é que, com a aplicação de antifúngicos na agricultura e com o aquecimento global, os 'superfungos' apresentam maior proliferação, já que são mais resistentes e crescem em ambientes com mais de 35ºC", explica.

De acordo com o autor do estudo, a maioria dos fungos é contraído por meio da respiração, diferentemente das bactérias, que podem ser contraídas pelo contato e por meio do ambiente.

Entre os superfungo, o Candida auris se destaca, segundo o pesquisador. Diferentemente da maioria, é contraído pelo contato e vem causando infecções hospitalares em outros países, mas não chegou ao Brasil.