Nilson Pugatti
SElviria Dezembro
(67) 99826-0686
PMCG IPTU 2019

Em 5 jogos, Hernanes vira a principal arma ofensiva do São Paulo

Profeta participa das melhores jogadas do Tricolor no empate em 1 a 1 com o Avaí, na Ressacada, e volta a ser protagonista da equipe na luta contra o rebaixamento

21 AGO 2017
Globo Esporte
10h46min
Foto: Reprodução

Aos poucos, Hernanes se consolida como o principal jogador do São Paulo no momento. Em meio à reconstrução do elenco com a temporada em andamento, o Profeta virou uma espécie de bola de segurança da equipe. Não à toa, foi o responsável por cobrar a penalidade que definiu o empate por 1 a 1 com o Avaí, no último domingo, na Ressacada, em momento de pressão (o placar apontava 1 a 0 contra).

O camisa 15 participou de quase todos os lances de perigo da equipe, além do gol, e foi a principal arma ofensiva do Tricolor. Agora, soma cinco gols em cinco jogos desde o seu retorno ao clube.

– É um jogador diferenciado. A entrada do Hernanes faz o São Paulo ganhar em um todo. Dá mais confiança e assume as características de comando de um time – disse Dorival Júnior.

Em lances de bola parada, com passes, cruzamentos, finalizações e com a bola rolando: Hernanes foi o principal jogador do São Paulo no empate com o Avaí.

Quatro outros jogadores chamaram a atenção durante o empate do Tricolor no Sul. Vale destacar um pouco de cada um para entender a postura do time diante do Avaí:

•           Petros em nova função

O técnico Dorival Júnior apostou em Jucilei mais avançado, ao lado de Hernanes por dentro, com Petros responsável pela saída de bola. No vídeo abaixo é possível ver exatamente qual foi a movimentação do volante na partida: recuo para a defesa entre Arboleda e Rodrigo Caio. Ele deu mais velocidade na transição da defesa ao ataque.

– A posição do Petros hoje é mais consolidada nessa função, e o Jucilei teve um crescimento muito bom. Teve mobilidade, saiu para jogar e apareceu dentro da área. Aos poucos vamos encaixando as peças e mudando algumas características – disse Dorival.

•           Jucilei mais solto

Petros foi "1": volante que fica à frente da linha de zagueiros e tem a responsabilidade de determinar o ritmo do jogo. Assim, Jucilei ficou mais solto para subir ao ataque. E a aproximação dele para triangular pelos lados do campo deu resultado em alguns lances como nas duas jogadas abaixo, ocasiões em que combinou passes com Buffarini e Marcos Guilherme.

– O que aconteceu é que triangulamos mais no lado do campo. Aconteceu em momentos oportunos, em jogadas dos lados direito e esquerdo. Edimar apareceu, e houve um crescimento muito bom do Buffarini – analisou o técnico são-paulino.

•           Gilberto dentro e fora da área

Dois dos lances de perigo do São Paulo surgiram com Gilberto. Em um, cabeceou no contrapé de Douglas, após cruzamento de Marcos Guilherme. No outro, o atacante recebeu passe de Hernanes e finalizou em cima do goleiro do Avaí.

Em outras oportunidades, o centroavante foi obrigado a sair da área para buscar o jogo, o que também ocorre com Lucas Pratto, suspenso nesta partida. A timidez ofensiva de Cueva também contribuiu para esse fator.

Longe do gol, em uma ocasião Gilberto conseguiu uma falta lateral, mas em outros momentos foi desarmado.

•           Sidão

Promovido a titular por Dorival, o goleiro do São Paulo teve dificuldade em lances de saída de bola, justamente uma das características que lhe ajudaram a ser indicado por Rogério Ceni ao clube no início do ano. Ele ganhou a vaga de Renan Ribeiro no gol e sofreu críticas pela atuação nas redes sociais.

 

Veja também