Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Algo mais

Em séries da Netflix e no cinema, Claudio saiu de Campo Grande para conquistar sonho de atuar

Longe da família, ator buscou oportunidades nas capitais do audiovisual no país

02 maio 2019 - 19h00Por Amanda Amaral

Desde criança, Claudio Olegario sabia que queria se ver nas telas de televisão e cinema. Anos se passaram até que o jovem campo-grandense, hoje com 28 anos, pudesse realizar seu sonho que ainda está em plena construção, mas a busca teve de ser fora de Mato Grosso do Sul.

Seu caminho para a vida de ator começou ainda em 2009, mesmo que indiretamente. Em São Paulo, fez faculdade de Propaganda e Marketing, uma garantia do diploma para sua família, mas logo que enxergou a chance de cursar teatro se mudou para o Rio de Janeiro.

“Foi natural pra mim sair porque a faculdade me puxou. Sabia que queria ser ator desde pequeno e sabia que eixo Rio-SP era mais forte na área, com a Globo, e meu foco sempre foi televisão. Em Mato Grosso do Sul eu não sabia muito bem onde procurar e fui parar na escola de teatro Wolf Maya, no Rio”, conta. 

(Foto: Arquivo pessoal)

Os desafios se mostraram logo de cara, ao lado de colegas esforçados na arte, mas foi instantânea sua identificação com os palcos. Ainda enquanto estudava, percebeu também os nichos fechados e cartas marcadas na profissão, a corrompida política carioca, além da crise no mercado artístico do país que corta recursos a todo tempo.

“É uma alegria poder sonhar, apesar de tudo a família apoia muito, tenho muita sorte, Vejo muitos amigos em outros estados, com outras vidas e que não podem continuar sonho. [...] Quando a gente fica parado se questiona muito, mas quando trabalha compensa tudo. Uma dica é que pessoa seja autêntica e não se abata com as críticas, principalmente em MS não é uma carreira vista como plano A, ‘é sonho distante’, ouvi muito”, conta.

Ainda assim, já conseguiu realizações que enchem de orgulho e ensinam muito ao lado de atores e equipes experientes. Claudio já fez duas participações em produções da Netflix, um especial de Natal do ‘Porta dos Fundos’ e na série ‘Borges’. Dois filmes também já estão no currículo, ‘O Que Resta’, de Fernanda Teixeira, e o internacional ‘Seven Sorrows of Mary’, de Pedro Varela, com estreia prevista para o final de 2019.


Filme 'O Que Resta', ao lado da atriz Bruna Linzmeyer. (Foto: Divulgação/O2 Play)

Apesar do nunca linear caminho que a vida na arte leva, o ator incentiva quem também compartilha do mesmo sonho de atuar e viver da profissão. “É preciso saber que vai ouvir mais rejeições do que aceitações e não desistir. Meu maior sonho é passar todo meu sentimento da vida aos personagens do cinema e novela, sempre sonhei”, finaliza.

Leia Também

Pai que roubou doações para filho com doença rara ganha prisão domiciliar
Geral
Pai que roubou doações para filho com doença rara ganha prisão domiciliar
Pilantra: mulher finge estupro para ganhar seguidores em redes sociais
Geral
Pilantra: mulher finge estupro para ganhar seguidores em redes sociais
Covid-19 mata mais 869 brasileiros em 24 horas, lamenta Ministério da Saúde
Geral
Covid-19 mata mais 869 brasileiros em 24 horas, lamenta Ministério da Saúde
Ladrão com faca invade casa de madrugada e morador 'mete bala' no Tijuca
Polícia
Ladrão com faca invade casa de madrugada e morador 'mete bala' no Tijuca