(67) 99826-0686
ENTREGAS

Faca na caveira: raça que matou bebê em MS é segura, mas requer cuidados, alerta especialista

Adestrador do BOPE há dez anos adverte para a falta de cuidados na criação de cães da raça Pitbull

7 FEV 2019
Luis Abraham
19h00min
Foto: 0rminda Paula / Pinterest

Os crescentes casos de violência tem aumentado a sensação de insegurança no Brasil, fazendo com que cada vez mais famílias adotem medidas extremas cada vez mais, cerca elétrica, muro alto, alarme, câmeras de segurança e cães ferozes. Neste último quesito, a raça mais procurada tem sido o Pitbull.

Embora seja um animal de porte médio, o potencial desta raça pode ser mortal e não é incomum que diversos casos no País acabem em amputações e até mesmo a morte. O policial militar do Batalhão de Operações Especiais, Alexandre Duarte de Barros, 38 anos, dos quais 10 deles dedicados ao adestramento de animais para o Grupo de Cães Especiais (GCE/BOPE), adverte: "a criação inspira cuidados"

No GCE, Alexandre é responsável por adestrar principalmente pastor alemão, labrador e rastreador brasileiro, segundo ele 'capacidade olfativa e versatilidade pelas características das raças' são fatores determinates para o trabalho com as forças de segurança.

(Foto: Arquivo Pessoal)

Perguntado se o Pitbull é uma raça recomendada para o auxílio da polícia, o militar afirma que já utilizou algumas vezes em operações e ressalta que a agressividade não desqualifica a animal para trabalhos desta natureza. Ele diz que sempre busca maximizar atributos genéticos em cada espécie para desempenhar o papel com excelência.

Alexandre se mostra reticente quando perguntado sobre a criação em âmbito doméstico, vez que criar um cão com temperamento do Pitbull requer uma série de cuidados, que se ignorados podem resultar em acidentes fatais. Um deles é o fator genético. O especialista afirma, por exemplo, que o cruzamento de um macho agressivo com uma fêmea de mesma personalidade pode gerar uma ninhada predisposta à violência.

Barros cita que fatores externos determinam o temperamento, como o núcleo familiar que o acolhe, fazendo com que o animal tenha uma boa convivência em meio a crianças. O militar ainda diz que é que importante que o animal seja treinado para respeitar todos na casa, demonstrando até mesmo ser 'teimoso' em determinados casos.

O especialista ainda cita o Ranking de Inteligência Canina (ao lado) compilado em 1994 por Stanley Coren e lista as principais raças de cães de acordo com a sua capacidade de obedecer a um comando.

O Pitbull se posiciona no meio da tabela à frente do Bulldog, entretanto muito atrás de raças como o Border Collie.

Indicando que o Pitbull é um cão recomendado para funções como proteção de uma casa ou propriedade rural, Barros destaca que o animal requer um profissional altamente especializado para que não ocorra nenhum tipo de incidente, como o que vitimou um bebê de oito meses em Antônio João. Leia mais aqui.

Por fim, Alexandre alerta para que o eventual dono não escolha o animal somente pela cor, mas também busque saber se o mesmo possui pedigree ou ao menos a filiação do cão. E caso não seja possível que isso ocorra evite a aquisição ou busque outra raça.

Veja também