TJMS AGOSTO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sexta, 12 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
SENAI SUPER BANNER JULHO E AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
Campo Grande

Desde dezembro, ex-funcionários do R.U. da UFMS estão sem receber acertos

Mais de 30 pessoas relatam que não tiveram acesso a seus direitos de trabalho após fim de contrato

24 março 2019 - 13h30Por Amanda Amaral

Há cerca de quatro meses, 32 ex-funcionários do restaurante da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, estão com salários e acertos trabalhistas atrasados. Em dezembro, a empresa Industrial Foods perdeu o contrato e as informações chegam difusas a quem trabalhava no local de refeição dos universitários. 

São cozinheiros, faxineiros e pessoas em outras funções na espera pelos direitos, que chegaram a ter auxílio do setor de práticas jurídicas da UFMS. “Foram nos enrolando com várias reuniões, davam prazos de 48 horas, mas até agora nada. Temos áudios, gravações comprovando, mas ninguém sabe dizer de quem é a responsabilidade”, relata uma ex-funcionária da cozinha.

A empresa foi responsável pela administração do restaurante entre agosto de 2017 e dezembro de 2018. O contrato, que se prolongaria até o final de 2019, foi encerrado porque a Industrial Foods não apresentaria bom desempenho e após denúncias de alimentos queimados e até com parasitas.

Os trabalhadores dizem ter procurado ajuda do Ministério do Trabalho, mas nada foi resolvido. Conforme a mulher que encaminhou a denúncia, o responsável pela empresa teria deixado parte do valor para encaminhar aos ex-funcionários sob administração da universidade.

“Estamos sem nada, FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), férias, nenhum direito. Fiquei onze meses no r.u. e ninguém nos amparou depois que saímos, fomos por conta própria e muitos com medo de denunciar. Alguns já desistiram e outros já procuraram advogados”, adiciona a cozinheira. 

Resposta

A reportagem encaminhou a questão para a assessoria de imprensa da UFMS e reiterou o pedido por dias, mas não conseguiu resposta até a publicação da matéria. A empresa Industrial Foods também não retornou contato.