(67) 99826-0686

Em MS, funcionários dos Correios aderem à paralisação nacional

Funcionários buscam negociação de acordo coletivo e são contra à privatização

11 SET 2019
Nathalia Pelzl
08h42min
Foto: André de Abreu

Sem entrar em consenso sobre o acordo coletivo,  os trabalhadores dos Correios de todo Mato Grosso do Sul, representados por sindicatos, entraram em greve nesta quarta-feira (11). A paralisação foi decidida em assembleia e o movimento é nacional.

Os funcionários também são contra a proposta do presidente Jair Bolsonaro, de privatização dos Correios.

Em Campo Grande,  funcionários ocupam a calçada em frente à agência da rua Barão do Rio Branco, no Centro. Segundo a presidente do Sintect-MS (Sindicato dos Trabalhadores do Correios e Telégrafos de Mato Grosso do Sul), Elaine Regina Souza de Oliveira, são mais de 1, 3 mil funcionários no estado e 600 em Campo Grande. Sendo um total de 75 agências, destas 15 na Capital.

Ela aponta que os funcionários estão tentando negociação com a empresa desde o mês de junho.

“Nós estamos desde o mês de junho tentando negociar com a empresa, tivemos um período de negociação e, suspendemos essa greve no dia 1, com a proposta de mediação de campanha salarial com reuniões. Tivemos um mês e a empresa se recusando a receber as negociações, sem apresentar proposta”, destaca.

Além disto, a empresa se recusa a conversar com os funcionários mesmo com mediação do TST (Tribunal Superior do Trabalho) e apresentou uma proposta abaixo do previsto. 

“Empresa não está aceitando negociação nem com a mediação do TST (Tribunal Superior do Trabalho) e nós estamos sem  acordo coletivo, todos os direitos e garantias que nós conquistamos  durante os anos, está ameaçado.  A única proposta que a empresa apresentou foi no mês de junho, de 0,8% de reajuste para uma inflação de 3,67%, ou seja, um reajuste de menos de 1%”, pontua.

De acordo com a sindicalista, o movimento deve continuar por prazo indeterminado. 

 

Veja também