Menu
sábado, 27 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Cidades

Prefeito promete ajuda a famílias à beira do despejo, mas garante que não vai ceder a pressão

'Se a gente for ceder à pressão, era melhor você se ocupar de outra função', disparou

21 agosto 2018 - 17h00Por Rodson Willyams

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) comentou, nesta terça-feira (21), sobre o impasse envolvendo as famílias que invadiram área particular da Homex e que correm o risco de serem removidas do local por meio de uma ação de reintegração de posse. As famílias foram, na manhã de hoje, na governadoria, para pedir ajuda ao Governo do Estado.

Durante evento realizado no bairro Nova Lima, o prefeito informou que o município até demonstrou o interesse em revolver a questão: "a gente pode intermediar com os proprietários a eventual aquisição da área e vender para eles e eles [moradores] pagarem", comentou.

No entanto, para Marquinhos, o município chegou a fazer uma proposta à massa falida para comprar a área, mas que devido ao preço superavitário, de R$ 33 milhões, o negócio não se concretizou: "se não for correto e justo, não vai se efetivar", disse. "Não vou comprar um avião", alfinetou.

Ele ainda afirmou que não sabe como o Governo do Estado pode ajudar neste caso: "eu não sei como o governo pode fazer acontecer ali", e ponderou: "entramos no processo e pedimos para participar da audiência e tentar solucionar".

Invasões

Mesmo assim, Marquinhos ainda lembrou que tanto as famílias que moram nas áreas invadidas da Homex quanto no Samambaia "são invasores de área particular com decisões para reintegrar".

Marquinhos lembrou que na última ação de reintegração de posse foram retirados apenas aqueles que edificaram casas após a entrada das famílias no local, 'edificação de aproveitadores': "os próprios moradores falavam quem entrou depois. Foram esses que saíram e foram removidos, os outros continuaram lá".

Pressão

Ao ser questionado sobre a pressão que vem sofrendo, principalmente, em época de eleição, Marquinhos disparou: "se a gente for ceder à pressão, era melhor você se ocupar de outra função. A gente vive com pressão o tempo todo".

E afirmou, que há 'aproveitadores' que estão tentando tirar proveito, justamente por ser época de eleição. "Vão pressionar em época de eleição para chegar a R$ 15 a R$ 20 milhões. Porque daí [o político] não vai aguentar".

Marquinhos ainda disse que não "basta invadir e depois pressionar", finalizando assunto. Os moradores da Homex saíram da governadoria e foram até a Assembleia Legislativa, para tentar obrigar o município a comprar a área.