Menu
segunda, 26 de julho de 2021
PMCG REFIS 16 A 29/07
Especiais

Trabalho 'invisível' no conserto de respiradores salvou centenas de vidas em MS

Série de três reportagens vai mostrar como iniciativas da Indústria podem salvar vidas, recuperar a economia e transformar a sociedade na pandemia

02 julho 2021 - 17h00Por Rayani Santa Cruz e Diana Christie

A série de reportagens ‘Indústria Pela Vida’, do TopMídiaNews, inicia hoje com exemplo de iniciativas inovadoras. Tem muita gente colocando a mão na massa para ajudar o Mato Grosso do Sul a vencer a pandemia. Isso inclui o trabalho em conjunto para salvar vidas, fomento à sociedade com ações transformadoras, e incentivo ao empresariado tendo como consequência o aquecimento econômico. 

O Sistema Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul) de Mato Grosso do Sul e o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) estão empenhados e agindo em parcerias com o governo do Estado em diversos segmentos, como o de saúde pública com o conserto de respiradores hospitalares e ajudando na recuperação de pacientes contaminados pela Covid-19.

Em apoio à SES (Secretaria de Estado de Saúde), o Sena-MS fez a entrega de 157 respiradores hospitalares para o uso em leitos sul-mato-grossenses.

Ideia inovadora

O diretor-regional do Senai-MS, Rodolpho Caesar Mangialardo afirmou que a Fiems e o Senai sempre estiveram mobilizados na tentativa de auxiliar o Estado de alguma forma na pandemia. 

“A ideia partiu da Fiems que, por meio do Senai-MS, alinhou diversas ações para o combate à pandemia, alinhado ao Departamento Nacional que identificou alguns estados que poderiam realizar essa ação de manutenção e conserto de equipamentos.”

O diretor-regional afirma que 115 respiradores foram reparados e entregues à SES na primeira fase (2020) e 42 nesta segunda fase (2021).

“Os trabalhos em Mato Grosso do Sul se concentram em Campo Grande, que recebe equipamentos não só da Capital, mas também do interior do Estado. Para fazer a manutenção dos equipamentos, o Senai preparou um espaço com toda a infraestrutura necessária e seguindo os protocolos de biossegurança, com área de desinfecção dos equipamentos, espaço de triagem, acondicionamento, e uma carreta móvel de automação onde é feita a manutenção dos equipamentos hospitalares. São seis profissionais do Senai envolvidos nesse trabalho, entre diferentes especialidades, além de voluntários que se prontificaram a ajudar”, explica o diretor-regional Rodolpho Caesar Mangialardo.

Diretor-regional Rodolpho Caesar Mangialardo acompanhando a equipe - Foto: Sistema Fiems

Economia na Saúde

Segundo Mangialardo, o governo teria custo estimado de cerca de R$ 5 milhões caso tivesse de comprar novos equipamentos. Porém, com ajuda do Sistema Fiems e Senai-MS, foi possível economizar e, ao mesmo tempo, salvar vidas.

“O investimento médio por equipamento para o conserto foi em média de 4 mil reais (por respirador) apenas em peças e manutenção, sem calcular a mão de obra, que foi feita pelos próprios colaboradores do Senai. Custo total estimado até agora é de mais de 600 mil reais. Caso fossem comprados equipamentos novos, o valor poderia chagar a 5 milhões de reais.”

A média de uso dos aparelhos respiradores é de 5 anos de uso. A validade varia por equipamento, mas a cada ano é necessário pelo menos calibração e testes, que também serão feitos pelo Senai-MS.

Iniciativas pela vida

Entre as iniciativas para valorização da vida do sul-mato-grossense, além dos respiradores, o gestor explica que “o Senai também recebeu cinco incubadoras neonatais da Maternidade Cândido Mariano de Campo Grande. Os equipamentos estão passando por análise e avaliação pela equipe técnica”.

Equipe responsável pelo projeto junto ao diretor do Senai-MS Mangialardo - Foto: Sistema Fiems

Os respiradores podem salvar centenas de vidas sul-mato-grossenses e, para o diretor do SENAI-MS, isso significa agregar forças com o poder público e privado para um bem comum: a vida!

“O SENAI, por meio de suas expertises, cumprindo sua missão de ajudar as indústrias e indo além, com ações que impactam em toda sociedade. Estamos somando forças com outras empresas nesse momento que requer esforço adicional de todos para o enfrentamento da pandemia”.

Mãos que salvam

O gerente Senai Empresa – coordenador do grupo de trabalho para o conserto dos respiradores, Thales Saad, explicou que antes do reparo dos respiradores é necessária uma desinfecção inicial com procedimentos e produtos adequados para depois acondicionar em local apropriado, aguardando a triagem e o diagnóstico. Após serem liberados para diagnósticos, são feitos testes de funcionamento e operacional para identificar partes, peças ou necessidade de reparos.

Coordenador do grupo de trabalho para o conserto dos respiradores, Thales Saad - Foto: Sistema Fiems

“Além de peças quebradas ou danificadas (carcaça, botões de operação, visores), encontramos problemas no sistema elétrico (fonte e bateria) e circuito respiratório (circuito paciente, sensores). Alguns também precisaram de ajustes e revisões de software. E, depois dos reparos necessários, todos são calibrados e passam por teste de segurança elétrica para garantir o funcionamento”, diz o gerente.

De acordo com Thales, a equipe conta com profissionais voluntários, que somam à engrenagem para auxiliar na demanda. “Temos engenheiros e técnicos que normalmente trabalham com projeto, manutenção e operação de máquinas industriais, mas que, com treinamento adequado, estão aptos para trabalhar com equipamentos médicos. Contamos também com voluntários que já trabalharam com esse tipo de equipamento. Ano passado, tivemos no pico do trabalho com 12 profissionais e hoje contamos com 6.”

Equipe do Senai-MS trabalhando em um dos aparelhos - Foto: Sistema Fiems

Máquinas salvam, mas homens produzem- e consertam - máquinas

O fotógrafo Edgard Das Neves Pereira, 52 anos, foi o primeiro caso mais grave de Covid-19 no Estado. Ele passou 29 dias intubado no Hospital Regional e usou o respirador até mesmo quando permaneceu na enfermaria durante três dias. Ele afirma que passou 40 dias internado e posteriormente soube que o aparelho utilizado havia sido entregue pelo Senai-MS.

Edgar afirma que é grato à iniciativa e que está vivo graças à parceria do Senai-MS com o Estado.  “Acho que talvez o governo do Estado não teria dinheiro para comprar todos esses respiradores na época. Foi um trabalho muito bom do Senai-MS e ajudou a salvar minha vida. E está ajudando até agora. Até porque teve prefeitura pelo Estado que não tinha verba para compras. E eles fizeram tudo isso a um custo quase zero para o Estado.”

Edgar venceu a covid-19 e agradece iniciativa do Senai-MS - Foto: Arquivo Pessoal/TopMídiaNews

Ele explica que visitou o Senai-MS e conheceu a equipe que faz o conserto dos aparelhos. Para ele, a atitude deles traz esperança de dias melhores.

“É uma atitude louvável. A saúde deve ser sempre em primeiro lugar e ser independente de quem está no governo. Os técnicos me mostraram como fazem o trabalho e são pessoas que se doaram. Dispuseram do tempo deles, da folga e do descanso para fazer o reparo desses aparelhos de graça. Então, isso significa que existem muitas mãos por trás de todas as pessoas que se curaram e se salvaram dessa doença. Eu fico muito grato mesmo.”

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, afirma que o apoio do Sistema Fiems e Senai possibilita que o Estado tenha condições de atender aos pacientes internados e aumentar as chances de recuperação. 

Leia Também

Após discussão, madrasta leva soco na cara em Três Lagoas
Polícia
Após discussão, madrasta leva soco na cara em Três Lagoas
Motociclista causa acidente, foge e deixa esposa grávida no local
Interior
Motociclista causa acidente, foge e deixa esposa grávida no local
Idoso tenta defender cachorrinha, é xingado e leva banho de mangueira no Chácara Cachoeira
Polícia
Idoso tenta defender cachorrinha, é xingado e leva banho de mangueira no Chácara Cachoeira
Homem é esfaqueado na cabeça em Dourados
Interior
Homem é esfaqueado na cabeça em Dourados