(67) 99826-0686
Think Educaçao 13/07 a 17/07

Bolsonaro adapta seu slogan, inclui Estados Unidos e esquece Deus

Ele recebeu homenagens em Dallas, no Texas

16 MAI 2019
Veja
18h41min
Foto: Marcos Correa - PR

Ao receber o prêmio “Personalidade do Ano” em Dallas, no Texas (EUA), nesta quinta-feira, 16, o presidente Jair Bolsonaro adaptou o seu slogan – incluiu os Estados Unidos, mas esqueceu-se de Deus. “Brasil e Estados Unidos acima de tudo. Brasil acima de todos”, afirmou, ao final de seu discurso.

O bordão original, que Bolsonaro utilizou na campanha eleitoral e passou a repetir também no seu governo, é: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

Bolsonaro foi homenageado pela Câmara de Comércio Brasileira-Americana. A premiação estava marcada originalmente para acontecer em Nova York, mas a presença do presidente brasileiro foi descartada depois que o evento foi alvo de protestos e boicotado por diversos patrocinadores.

O próprio prefeito da cidade e pré-candidato à Presidência dos Estados Unidos, Bill de Blasio, criticou Bolsonaro, afirmando que o presidente defende uma “ideologia destrutiva” e que não era bem-vindo em Nova York.

Em seu pronunciamento ao receber o prêmio, o presidente lembrou do episódio e afirmou que, apesar da mudança de roteiro, todos os americanos e novaiorquinos ainda têm seu “amor, respeito e consideração”. “Não posso ir à casa de uma pessoa, quando alguém de sua família não me quer ali”, disse.

O presidente brasileiro começou seu discurso de agradecimento lembrando de algumas das últimas personalidades brasileiras que receberam a homenagem da Câmara de Comércio: o governador de São Paulo, João Doria, e o atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

“Eu estou muito honrado”, disse. “Como brinquei com João Doria e Sergio Moro, os últimos homenageados aqui, o nível dos agraciados está melhorando”, afirmou.

Em seguida, elogiou o governador de São Paulo, afirmando que o empresário “tem futuro”. “O nosso relacionamento está acima de quaisquer objetivos outros que possam existir entre nós”, afirmou.

Relação com os EUA

Bolsonaro voltou a manifestar seu apreço pelas relações entre Brasil e Estados Unidos. Segundo o presidente, a aliança pode colaborar para a garantia de “valores familiares de respeito ao próximo, democracia e diversidade”.

“Nós precisamos, queremos e estamos mais que propensos, estamos convictos de que essa união, essa confiança que começamos a estabelecer ao longo desses últimos meses pode nos levar a fazermos comércio e assinarmos, quem sabe, muitos acordos”, afirmou.

“O Brasil de hoje é amigo dos Estados Unidos, respeita os Estados Unidos, e quer o povo americano e os empresários americanos ao nosso lado”, completou.

Argentina

Assim como em seu encontro com o ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush, Bolsonaro tratou de sua preocupação com a volta de Cristina Kirchner à Presidência da Argentina.

Segundo o líder brasileiro, o país vizinho caminha “para um caminho bastante complicado” e o presidente Mauricio Macri enfrenta “problemas estruturais” e “dificuldades”.

“Faremos uma viagem brevemente à Argentina e vamos colaborar no que for possível com aquele país sem nos imiscuirmos nas questões internas”, disse. “Mas sabemos que se tivermos uma outra Venezuela no Cone Sul da América do Sul, os problemas são enormes para nós e com todo certeza para os senhores” americanos.

 

Veja também