tjms 18/01 a21/01/2021
Menu
segunda, 18 de janeiro de 2021
Covid 18/01 a 24/01
Geral

Escola esconde menina negra de propaganda e caso vai parar na delegacia

Estudante tirou foto ao lado de outras três garotas brancas e teve o corpo coberto; família registrou boletim por racismo em Jundiaí (SP)

24 novembro 2020 - 09h55Por Rayani Santa Cruz

A família de uma menina negra de 10 anos registrou boletim de ocorrência contra a escola Colégio Domus Sapiens de Jundiaí- SP por ela ter sido tampada em uma propaganda nas redes sociais da unidade. 

Conforme o G1,  caso deve ser investigado pelo 7º Distrito Policial após o pai da estudante relatar que estava na casa de amigos quando a filha viu a publicação no perfil do colégio com a imagem tampada pela escrita: "Importante na escola não é só estudar, é também criar laços de amizade e convivência - Paulo Freire”. Na imagem as três garotas brancas permaneceram na foto e apenas ela foi excluída com o texto em cima da imagem. 

Segundo o pai, a família recebeu mensagens de indignação pela publicação. No entanto, a escola foi informada pelos parentes da aluna e a publicação foi retirada.

Uma nova foto foi repostada sem a arte e com todas as meninas. O delegado deve ouvir os envolvidos nos próximos dias, diz o G1.

O que diz a escola

Em nota, o colégio enviou a ocultação da imagem da aluna em questão não foi propositalmente escolhida por critério racial, e sim, pelo critério geral de posicionamento da caixa de texto nas fotos divulgadas sequencialmente na rede social.

"Ao contrário da interpretação dada pelos usuários em questão e das injuriosas acusações, na data de 20/11/2020 a Agência de Publicidade contratada pelo Colégio elaborou ao todo 41 postagens, em pacote, sendo que em praticamente todas as postagens feitas naquela oportunidade, o lado escolhido para a colocação da caixa de texto é justamente o lado direito da foto, se sobrepondo aos rostos de muitos outros alunos, em outras fotos, inclusive, alunos brancos, com o intuito de seguir um padrão estético na diagramação da publicidade (já que as fotos seriam lidas em sequência).

Ou seja, analisado o conteúdo da publicidade feita naquela data, não sobreleva qualquer dúvida de que a ocultação da imagem da aluna em questão, não foi propositalmente escolhida por critério racial, e sim, pelo critério geral de posicionamento da caixa de texto nas fotos divulgadas sequencialmente na rede social.

O colégio, ao longo de uma trajetória dedicada à inclusão social e à censura de toda e qualquer prática discriminatória, apoia decisivamente as ações visando coibir o racismo e a disseminação de propagandas de ódio e violência. essa é a nossa missão perante a comunidade e na formação de nossos alunos."