Menu
sábado, 25 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
Geral

Joice Hasselmann insiste em 'atentado' e diz que não terá mesmo destino de PC Farias

Apartamento dela em Brasília foi periciado

27 julho 2021 - 17h11Por Thiago de Souza

A deputada federal, Joice Hasselmann, do PSL, insiste na tese que sofreu um atentado contra a vida, em 18 de julho, em Brasília. As câmeras de segurança não apontaram a entrada de ninguém suspeito no prédio dela. 

Nesta terça-feira (27), Joice relatou, por meio das redes sociais, que a Perícia da Polícia Civil do DF fez uma perícia no apartamento funcional onde mora. Ela detalhou que a equipe usou equipamentos modernos para colher elementos que possam chegar ao suspeito de agredi-la. 

Para rebater as críticas que a denúncia de agressão é falsa, Joice destacou que o criminoso que a atacou é um ‘’profissional’’ e que o bandido ‘’não iria dar tchauzinho’’ para as câmeras de segurança. 

A deputada sustenta que foi vítima de um atentado por motivação política, já que é crítica dos governos Bolsonaro e do PT. Ela também usou o caso do ex-tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor,

Paulo Cesar Farias, como exemplo da situação que vive. 

‘’Não terei o mesmo destino de PC Farias’’, disse Joice, se referindo ao assassinato do tesoureiro, em 1996, em circunstâncias até hoje não esclarecidas por completo. 

Pela manhã, o colunista Lauro Jardim, de O Globo, destacou que as imagens das câmeras de segurança do prédio de Joice não apontaram a entrada de nenhum suspeito na residência da deputada. O apartamento funcional fica no 6º e último andar do prédio. 

O caso

Joice relatou que acordou no chão, em meio a uma poça de sangue, no apartamento dela. No momento, somente o esposo dela estava em casa. Ela revelou que teve seis fraturas no corpo e diversos outros ferimentos, entre eles um dente quebrado. 

Ainda segundo o relato, Joice achou que tinha desmaiado por causa do efeito de remédios e por isso não procurou a polícia. Somente na terça-feira, ela foi ao dentista e na quarta decidiu procurar um hospital. 

A deputada não quis registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil nem na Polícia Federal. Ela só foi fazer exame de corpo de delito nesta segunda-feira.