Menu
terça, 27 de julho de 2021
SEGOV - MICROCREDITO 27 A 29/07
Geral

Nelson Teich diz que deixou ministério por divergências sobre cloroquina

Depoimento do ex-ministro durou 6h e ressaltou que deixou Ministério da Saúde por falta de liderança que era indispensável no seu cargo

05 maio 2021 - 17h44Por Vinicius Costa

O ex-ministro Nelson Teich foi o interrogado nesta quarta-feira (5), na fase de depoimentos prestados para a CPI da Covid, que investiga falta de ação do governo Jair Bolsonaro no combate a pandemia do coronavírus. Para o médico, o pedido de demissão foi após falta de autonomia e divergência sobre a cloroquina.

Em seu depoimento que durou pouco mais de 6 horas, Teich ressaltou que a sua saída e a razões eram públicas, mas ficam estritamente presas a falta de liderança que indispensável para seu cargo.

"Essa falta de autonomia ficou mais evidente em relação às divergências com o governo quanto à eficácia e extensão do uso do medicamento cloroquina para o tratamento da covid-19, enquanto minha convicção pessoal, baseada nos estudos, [era] que naquele momento não existia evidência de sua eficácia para liberar".

Outro ponto bastante salientado pelo ex-ministro foi a questão da imunidade de rebanho, criticado por Teich no depoimento. Na visão dele, essa tese era um "erro" e lembrou como o sistema de saúde brasileiro ficou sobrecarregado.

"Essa tese de imunidade de rebanho, em que você adquire a imunidade através do contato e não da vacina, isso é um erro".

Senadores, da oposição e independentes sustentam a hipótese de que Bolsonaro apostou nessa teoria e negligenciou medidas de enfrentamento da crise no país. O presidente ainda teria discursado que as pessoas deveriam se contaminar como argumento para contrapor às medidas de isolamento.

Por outro lado, Teich ainda afirmou que sua gestão não passava orientações para que o laboratório químico e farmacêutico do Exército produzisse cloroquina. "Se aconteceu alguma coisa, foi fora do meu conhecimento".