TCE ABRIL 16 A 22/04
Menu
quinta, 22 de abril de 2021
COVID CONFLITO
In Memoriam

'Ficamos sem chão': vacina chegou tarde e empresário morre antes da 2ª dose

Família conta que despedida parece ainda mais dolorosa sem um velório apropriado por conta das medidas de biossegurança

05 abril 2021 - 11h00Por Nathalia Pelzl

O empresário de Sidrolândia, Iraci Hipólito da Silva, 74 anos, é mais uma vítima, que virou estatística da covid em Mato Grosso do Sul. 

O idoso, que morava na cidade há cerca de 25 anos e era muito conhecido, foi sepultado nesta segunda-feira (5), com a presença de familiares, que precisaram seguir os protocolos de biossegurança. 

Ao TopMídiaNews, a nora dele, a jornalista Val Reis, relatou um pouco como foi a descoberta da doença até o óbito inesperado. 

“Ficamos sem chão, ele tomou a primeira dose da vacina e estava tranquilo, a gente estava super animado que ele ia tomar a outra, começou a ter sintomas de gripe bem depois da vacina”, relata. 

O empresário chegou a fazer teste, que apontou negativo para doença. 

“Começou a ter febre, fez o teste da covid, deu negativo, mas ele continuou sem melhorar, aí foi na UPA em Sidrolândia, fez o teste e deu positivo, dois três dias de diferença, já ficou na UPA, e daí colocaram oxigênio e foi transferido para o hospital, mas ele estava reagindo bem”, destaca. 

“Ele estava super bem um dia antes, mandou mensagem para os filhos e, quando foi de madrugada, recebemos a notícia, foi muito complicado. Todo processo depois é muito doloroso. A gente acabou de sepultar ele, foi uma coisa surreal”, desabafa. 

“Não existe mais a solenidade do velório, onde você olha uma última vez para o seu ente querido, externa seus sentimentos e coloca na sua cabeça que é real, que ele se foi. Um momento importante, em que você compartilha com as outras pessoas a mesma dor e se conforta ao mesmo tempo”, finaliza. 

 

* Matéria editada às 11h54 para correção