Menu
sábado, 25 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
In Memoriam

Na despedida de Bruna, família tenta entender morte trágica de inocente

Jovem foi executada dentro do carro do namorado no Itamaracá; ela deixa filha de 2 anos

03 setembro 2021 - 09h22Por Nathalia Pelzl e Rayani Santa Cruz

Ainda sem acreditar, a família de Bruna Moraes Aquino, 22 anos, assassinada na noite desta quarta-feira (1º), no Jardim Itamaracá, em Campo Grande, se despede da jovem e busca respostas. 

O velório e sepultamento acontece nesta sexta-feira (3), no Cemitério Jardim da Paz, na saída para Sidrolândia. 

Bruna Moraes de Souza, 32 anos, é tia da jovem que recebeu o mesmo nome dela. A socorrista conta que sempre criou a jovem como uma filha e que ainda está sem acreditar no ocorrido. 

Segundo ela, a jovem morava em uma quitinete com a filha de dois anos, no Jardim Morenão. 

Bruna relata que a sobrinha estava há 5 meses com o novo namorado, mas que a família não tinha muito contato. 

“Eles passaram o domingo comigo, eles almoçaram comigo, jantaram comigo”, desabafa. 

Sobre a versão apresentada pelo homem, a tia da jovem destaca que agora é esperar pela investigação da polícia, já que Bruna não está mais aqui para se defender. 

“Eu não sabia se tinha ameaças e eu não consigo entender que uma pessoa mate a outra dessa maneira por um simples desentendimento de balada”, pontua. 

(Família está inconsolável. Foto: Wesley Ortiz)

Alguns familiares ficaram sabendo do histórico do rapaz, que tinha passagens, inclusive por violência doméstica, e pediram para ela terminar o relacionamento. “Mas ela não quis, gostava dele”. 

Na versão dos familiares, Bruna era “uma menina linda, sorridente, boa mãe.  A gente trouxe a filha dela pra dar o último adeus. Nós criamos a Bruna. A relação dela era super tranquila com toda a família”, finaliza a tia. 

A MORTE 

Bruna Moraes Aquino foi assassinada na noite desta quarta-feira (1º), em Campo Grande. 

A jovem estava em um WV Gol, com o namorado, quando foi atingida por disparo de arma de fogo. 

Conforme informações do boletim de ocorrência, a Polícia Militar foi acionada, por volta das 20h, para ir até à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Universitário. 

No local, os militares foram informados que a jovem e o namorado de 34 anos haviam dado entrada com ferimentos de arma de fogo. 

Diante das informações, os militares foram até a rampa de acesso da emergência e encontraram Bruna morta dentro do carro. 

Em contato com o namorado, ele informou que estavam no veículo no Jardim Itamaracá quando foram atingidos. 

Ele contou que o atirador estava de roupas escuras, usava capacete e efetuou de 3 a 4 disparos. 

O homem contou que foi ferido no braço e correu para o posto ao notar que Bruna estava inconsciente. 

Questionado sobre o possível autor, o rapaz disse desconhecer quem seria, mas que na data do dia 30 estavam em uma casa noturna, quando um homem conhecido como “Wellington” teria mexido com a vítima. 

Ainda segundo ele, na ocasião, esse rapaz teria seguido eles e efetuado um disparo, que atingiu Bruna na nuca, mas que ela não quis registrar boletim de ocorrência. 

Já nesta quarta-feira (1º), antes de ser atingida, Bruna teria recebido mensagem de um rapaz chamado “Kaique”.