Menu
sábado, 21 de maio de 2022 Campo Grande/MS
GOV EMPREGO MAIO
Interior

Assassino de Rosi mente 'na cara dura' ao dizer que vítima fugiu com caminhoneiro (ouça)

Áudio foi enviado à família da mulher que ele havia acabado de matar

27 janeiro 2022 - 07h00Por Thiago de Souza e Dany Nascimento

Além de ser frio ao assassinar e estuprar Rosiclei Paredes, 39 anos, Eduardo Gomes Rodrigues, 53 anos, também foi dissimulado, ao mentir para a família da vítima, que ela havia fugido com um caminhoneiro, em Bandeirantes. No entanto, a farsa foi descoberta e o criminoso preso. 

Rosiclei, conhecida como ''Rosi'', morava com o marido e, ambos, dividiam a casa na zona rural de Bandeirantes com Eduardo. Assim que a vítima parou de manter contato com a família, os parentes mandaram mensagem para o suspeito, perguntando se ele tinha notícias dela. 

Na gravação, o questionamento é feito por um irmão de Rosi, bastante preocupado com o sumiço. Eduardo se mostra seguro e enfático, ao responder que Rosi havia ido embora com outro homem. 

‘’Ela pegou os ‘trem’ dela e foi embora. Faz dias que ela tava conversando com esse rapaz do caminhão’’, respondeu Rodrigues no áudio.  

O assassino ainda cria detalhes da farsa que inventou para a família de Rosi. 

‘’Ela levou a bicicleta dela e só pediu para entregar o cachorro para o Danilo. Eu liguei para ele e falei para vir buscar o cachorro’’, mostra o áudio do criminoso. 

Para justificar a falta de contato de Rosi com a família, Eduardo diz na mensagem que o celular dela teria estragado ao cair na água. 

Rosi foi morta a facadas e estuprada, diz polícia. (Foto: Reprodução redes sociais)

Farsa 

Eduardo e o marido de Rosi trabalhavam em uma fazenda, onde passavam vários dias fora de casa. Porém, recentemente, Rodrigues foi demitido do trabalho e passou a ficar sozinho com a vítima. 

No dia 19 de janeiro, familiares de Rosi notaram que a familiar parou de manter contato e passaram a procura-la. Foi nesse momento que eles pediram informações a todos que a conheciam, inclusive Eduardo. 

A Polícia Civil foi acionada e o corpo da vítima foi achado pelo irmão dela, dentro de um poço, no local onde moravam. Eduardo desapareceu a as suspeitas contra ele se reforçaram. 

O criminoso foi preso no dia 24, na rodoviária, tentando fugir. Ele confessou o assassinato, com 37 facadas no rosto, e disse que teve relações sexuais consentidas com a vítima.

No entanto, a polícia duvida da versão dele e diz que a investigação aponta para estupro.