TCE JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
terça, 28 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Cidades

Feminicídio em Anastácio acende alerta para leis mais severas em MS

Projetos de leis apresentadas na Câmara visam tornar o crime mais grave

18 janeiro 2022 - 13h31Por Antonio Bispo

O caso de feminicídio descoberto na noite dessa segunda-feira (17), em Anastácio, acendeu o alerta para aprovação de propostas de Leis que visam tornar o crime mais grave e mais punitivo. 

Em 2021, Mato Grosso do Sul registrou 34 casos de feminicídio, sendo 32 deles no interior do Estado e dois em Campo Grande. 

Além disso, no início do mês, um caso de agressão a uma mulher em um lava-jato da Capital chocou a cidade. No ocorrido, a vítima foi agredida por um homem, vizinho do local de trabalho, por motivo de intolerância à população LGBT, mas, também, por ela ser mulher.

O deputado federal Fábio Trad (PSD/MS) disse que enviará ofícios aos órgãos responsáveis, bem como ao Ministério da Justiça e Secretaria da Mulher, além de levar o debate à Câmara. 

“Por também ser um problema crônico no país, tornar a intolerância de gênero, orientação sexual e discriminação racial deve ser uma questão tratada com mais austeridade e com a mesma urgência que a pandemia da Covid-19”, diz o parlamentar, membro da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados.

Para MS, o deputado apresentou até o momento, quatro projetos de lei que protegem as mulheres do assédio, da violência doméstica e do feminicídio. 

Recentemente, a Câmara aprovou a inclusão no Código Penal, o artigo 147-A, que criminaliza e aplica pena de reclusão aos atos de assédio obsessivo ou insidioso. 

Segundo a coautora da proposta, a promotora de Justiça Ana Lara Camargo de Castro, em muitos casos essa prática de obsessão e amedrontamento pode levar à violência sexual, agressão física e feminicídio.

De acordo com o texto aprovado, a pena aplicada será de um a quatro anos de reclusão, além de multa. Caso o crime seja cometido contra mulheres por razões da condição do sexo feminino, contra crianças, adolescentes ou idoso, a pena poderá ser ainda maior, caso haja o uso de arma ou agirem em grupos.