tce agosto
Menu
quarta, 12 de agosto de 2020
Interior

Em Aquidauana tem gente que critica lockdown, mas fica na rua no ‘teras’

Um dia antes do fechamento, ônibus lotados chegaram na cidade para o fim de semana

02 agosto 2020 - 09h30Por Vinícius Squinelo

Com acelerada evolução e alta letalidade da covid-19, Aquidauana fechou. Literalmente. De lojas a entradas na cidade, o lockdown teve início no fim da noite de sexta-feira (31) e vai até o dia 7 deste mês. A medida extrema é criticada por parcela da população, a mesma que fica na rua tomando tereré e andando sem máscara.

Para se ter uma ideia, dois ônibus lotados chegaram na cidade pouco antes do início do lockdown. O sábado começou com aglomerações na rua Bichara Salamente, por exemplo. Rodas de conversa, bebidas e tereré.

Até na esquina do Hospital Regional da cidade foram registradas aglomerações, conforme apurou a reportagem.

Hoje a cidade tem 387 contaminados – 18 só nas últimas 24 horas – e 12 óbitos.

Os ônibus que chegaram na cidade tinham como origem o Distrito Sanitário Especial Indígena. Representantes da região estiveram, dias atrás, em aglomeração inclusive com políticos, e há até a cobrança para a montagem de um hospital de campanha no local. Porém, as aglomerações no centro são contraproducentes se o objetivo é conter a doença. Até barreira sanitária foi arrancada para liberar acesso a Piraputanga

Em Aquidauana, a letalidade do Sars-Cov-2, o novo coronavírus, é de 3,1%, mais que o dobro da média de Mato Grosso do Sul.

Leia Também

Mortes por covid no Brasil se mantêm acima de mil por dia
Geral
Mortes por covid no Brasil se mantêm acima de mil por dia
Cemitério diz que 'sumiço de cadáver' foi autorizado por filha, mas não evitou bizarrice em enterro
Cidade Morena
Cemitério diz que 'sumiço de cadáver' foi autorizado por filha, mas não evitou bizarrice em enterro
Gasolina e diesel ficam mais caros nesta quinta-feira, anuncia Petrobras
Geral
Gasolina e diesel ficam mais caros nesta quinta-feira, anuncia Petrobras
Máscaras feitas por empresa em Campo Grande viram deboche entre alunos no Amazonas
Cidade Morena
Máscaras feitas por empresa em Campo Grande viram deboche entre alunos no Amazonas