Menu
quarta, 28 de outubro de 2020
Interior

Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta

Ela estafa foragida desde que a brasileira morreu em Ponta Porã

24 setembro 2020 - 20h58Por Thiago de Souza

A obstetra Raquel Echeguren Chave, 42 anos, suspeita de envolvimento na morte da brasileira Sheyza Ayala, se apresentou à Justiça, nesta quinta-feira (26), em Pedro Juan Caballero, no Paraguai. Ela seria dona da clínica clandestina, no país vizinho, onde a jovem aplicou o hidrogel nas nádegas e morreu dias depois em Ponta Porã. 

Raquel era considerada foragida da justiça paraguaia. Ela se apresentou com advogados e deu um caminhão como fiança, por isso vai responder o processo por homicídio culposo em liberdade. 

A outra suspeita de envolvimento na morte de Sheyza, Danilda Ruiz Diaz, segue foragida. Ela é que teria aplicado o produto na brasileira e já responde processo por crime semelhante no Paraguai. 

Crime?

Sheyza Ayala morava em Ponta Porã e procurou procedimento de aplicação de hidrogel nas nádegas, em uma suposta clínica clandestina em Pedro Juan Caballero, no Paraguai. Cinco dias após a aplicação, ela se sentiu mal e procurou um hospital em Ponta Porã. Horas após a internação, ela veio a óbito. 

 

 

Leia Também

Sinpol apoia combate à covid e vai fazer testes em policiais no feriadão em Bonito
Cidades
Sinpol apoia combate à covid e vai fazer testes em policiais no feriadão em Bonito
Juiz nega recurso e mantém candidatura do PCO barrada em Campo Grande
Cidade Morena
Juiz nega recurso e mantém candidatura do PCO barrada em Campo Grande
Apesar da promessa, governo diz que não tem previsão de pagar 13º do Bolsa Família
Geral
Apesar da promessa, governo diz que não tem previsão de pagar 13º do Bolsa Família
Em horário noturno, candidatos citam distritos e corredor de ônibus em Campo Grande
Cidade Morena
Em horário noturno, candidatos citam distritos e corredor de ônibus em Campo Grande