Menu
terça, 27 de julho de 2021
PMCG REFIS 16 A 29/07
Interior

Viúva de militar morto em Bonito quer pena máxima para réu: 'mas não vai tirar minha dor'

Ela classificou o réu, que matou por causa de um cigarro, de covarde

11 dezembro 2020 - 07h00Por Thiago de Souza

Elaine Setterval, viúva do major aposentado do Exército, Paulo Setterval, morto a facada, em 14 de abril de 2019, em Bonito, vai acompanhar o júri do réu, Bruno da Rocha, nesta sexta-feira (11), no fórum da cidade turística. Ela gostaria de pena perpétua para o assassino, mas diz que nada vai tirar a dor que sente. 

‘’Eu acho que a pena ideal seria perpétua. Mas não temos. Então, o mínimo para quem tira a vida de uma pessoa como esse covarde fez, seria a máxima no ordenamento jurídico’’, desabafou a mulher, que na tarde desta quinta-feira estava em direção a Bonito. O júri começa às 8h30. 

O crime

Paulo e a família estavam a passeio em Bonito quando ele decidiu sair para a frente do hotel e fumar um cigarro. Bruno passava de bicicleta e o abordou, pedindo um cigarro. Ao ter o pedido recusado, o criminoso seguiu com a bicicleta por alguns metros e voltou a pé. Ainda segundo o processo, ele atacou Setterval por trás com uma facada no tórax e fugiu. 

Segundo a investigação, horas antes do crime, Bruno brigou com a ex-mulher e tentou atacá-la. No entanto, foi contido e apanhou do ex-cunhado. Ainda segundo o Ministério Público, ele deixou o local, pegou uma faca e voltou para a casa da ex. Porém, a Polícia Militar estava no local e ele correu. 

Na sequência do depoimento, Bruno disse que voltou para a casa da mãe dele, pegou mais duas facas e saiu à procura do ex-cunhado, quando abordou o militar. Ele alegou que já estava transtornado pela briga com a ex-mulher e que ficou mais nervoso porque Paulo, ao negar o cigarro, teria lhe chamado de ‘’trombadinha’’. 

Na denúncia, Bruno da Rocha confessa que chegou por trás do militar e disse: ‘’olha aqui o trombadinha’’. Ele acrescentou que não teve intenção de matar, até porque usava uma faca de serra. Depois do crime ele queimou as roupas que usava na ocasião do assassinato e se escondeu em um matagal. 

Bruno foi denunciado por homicídio qualificado por motivo fútil (cigarro) e por dificultar a reação da vítima, ao atacá-la por trás e sorrateiramente.