Menu
sábado, 19 de setembro de 2020
Polícia

Acusado de matar Mayara Amaral culpa droga e diz que descartou corpo para resolver o problema

Ele afirma que estava se drogando há três dias quando matou a jovem a marteladas

29 março 2019 - 10h27Por Dany Nascimento e Anna Gomes

Durante depoimento no Fórum de Campo Grande, o baterista Luís Alberto Bastos Barbosa, acusado de matar a musicista Mayara Amaral, culpou a droga pelo crime, já que fazia o uso de entorpecentes há três dias. Ele contou que conhecia a jovem há três meses e, mesmo tendo namorada, começou a sair com Mayara.

Luís disse que os primeiros encontros eram profissionais, mas, depois, começou a sair com a jovem e os dois “só ficavam”.

Mayara foi assassinada a marteladas no dia 24 de julho de 2017, em um motel de Campo Grande. O suspeito disse que, na noite do crime, a musicista passou em sua residência e os dois seguiram para o motel.

 Após a relação sexual, Luís afirma que iniciou uma discussão com a jovem, alegando que teria contraído DST (Doença Sexualmente Transmissível) durante as relações com Mayara.

Ele disse que não premeditou o crime e que tinha um martelo na mochila, que seria utilizado para quebrar gelo para fazer tereré.  

Além disso, Luís entrou em contradição ao ser questionado pelo juiz sobre a doença adquirida. Ele afirma que pegou da vítima, fez exame, porém não tem certeza se foi contaminado.

O suspeito vai a júri popular, composto por cinco mulheres e dois homens.

O Crime

Mayara foi morta a marteladas no dia 24 de julho de 2017 por Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos. A musicista teve o corpo parcialmente carbonizado e abandonado em uma estrada próxima ao 'Inferninho'.

A defesa do suspeito, que está preso, alega que Luis cometeu o crime em um momento de 'surto' e que ele sofre de insanidade mental.

Leia Também

Bolsonaro diz que Brasil foi o melhor a lidar com a crise na pandemia
Política
Bolsonaro diz que Brasil foi o melhor a lidar com a crise na pandemia
Médica picada por cobra em cachoeira ganha alta e deixa hospital
Geral
Médica picada por cobra em cachoeira ganha alta e deixa hospital
Mulher de 52 anos é autuada após colocar fogo em lixo de terreno
Interior
Mulher de 52 anos é autuada após colocar fogo em lixo de terreno
Chamado de “Adélio Trutis”, deputado mostra votação esquisita para "rasteira" em Siqueira
Política
Chamado de “Adélio Trutis”, deputado mostra votação esquisita para "rasteira" em Siqueira