Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Polícia

Após seis meses, família de Gabrielly luta para aliviar saudade que não passa

Criança morreu dias após apanhar na saída da escola no bairro Nova Lima

01 junho 2019 - 11h30Por Dany Nascimento

Prestes a completar seis meses da morte de Gabrielly Ximenes, o pai da criança Carlos Roberto Costa de Souza, de 40 anos, disse ao TopMídiaNews que a família continua encarando a triste realidade da falta da criança, mesmo residindo em um novo endereço.

Carlos destaca que continua preocupado com a esposa, que chora todos os dias pela falta da filha. “Minha esposa chora todos os dias, não tivemos acompanhamento com psicólogos, estamos vivendo do mesmo jeito que antes, trabalhando bastante. A falta da minha filha é muito grande, moramos em outro lugar agora, para tentar aliviar as lembranças, mas dói demais”.

O pai afirma que a família nunca vai esquecer a alegria de Gabrielly. “Quando perdemos um pai, uma mãe ou um irmão já é muito dolorido, perder um filho dói muito mais. Nossa família encara essa saudade todos os dias, minha esposa sofre muito, eu também sofro, sinto falta e não vou deixar esse caso cair no esquecimento”.

Laudo

Em fevereiro deste ano, a  delegada da DEAIJ (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), Ariene Murad, confirmou que a menina Gabrielly Ximenes de Souza, 10 anos, morreu em decorrência das agressões que sofreu no dia 29 de novembro de 2018, na escola Lino Vilachá, localizada no bairro Nova Lima, em Campo Grande.

“O laudo conclui que a causa da morte foi tromboembolismo pulmonar provocado por artrite séptica. Temos um laudo do Instituto de Medicina e Odontologia Legal, um laudo de necropsia que o perito fez exame anátomo patológico, onde cinco órgãos foram analisados. Ficou pronto após dois meses e meio da morte da criança porque requer muitos detalhes. A criança só morreu porque houve trauma”, diz a delegada.

O TopMídiaNews entrou em contato novamente com a delegada, que informou que o caso foi encaminhado para o juiz da infância.  A equipe entrou em contato com a advogada da família de Gabrielly, que ficou de encaminhar informações sobre o andamento do caso, mas até o fechamento desta matéria, nenhuma informação foi repassada.

Leia Também

Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Política
Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Interior
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Cidade Morena
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá