tce agosto
Menu
segunda, 10 de agosto de 2020
Polícia

Arma de PM que matou criança de 11 anos estava em local de fácil acesso, diz delegada

Os pais da menina que atirou contra a própria cabeça devem prestar depoimento ainda hoje

19 março 2019 - 19h00Por Anna Gomes

A arma que matou Heloisa da Silva Antunes, 11 anos, pertence ao pai da menina, que é policial militar, estava em local de fácil acesso. A informação é da delegada Allana Mariele Mazaro Zarelli, que investiga o caso.

A garota morreu após atirar contra a própria cabeça, na noite do último domingo (17), na cidade de Mundo Novo, município distante aproximadamente 450 quilômetros de Campo Grande. A polícia trabalha com a hipótese de suicídio ou tiro acidental.

Conforme a delegada, a arma usada pela menina e uma pistola funcional do policial estavam em uma gaveta que não estava trancada. Os pais estão em choque e ainda não prestaram depoimento na delegacia, mas Allana acredita que eles devem ser ouvidos ainda nesta terça-feira (19).

“Tudo vai depender do estado emocional dos pais, mas acredito que hoje mesmo ou no máximo amanhã eles devem vir à delegacia para prestarem esclarecimentos. Estamos trabalhando com a hipótese de suicídio, mas ainda vamos investigar as possíveis causas”, disse a delegada.

Objetos apreendidos

A autoridade também relata que, ontem (18), a polícia foi até a casa da família e apreendeu objetos da menina como aparelho celular, um computador e um caderno que tinha frases de descontentamento, mas uma investigação será realizada para confirmar se a letra era realmente de Heloisa.

“Pedimos a quebra de sigilo para conseguirmos ter acesso ao conteúdo que a menina acessava no celular e no computador. O caderno também foi apreendido, mas ainda iremos analisar todos os fatos”, esclareceu Allana.

Valorização da vida

O suicídio representa uma parcela expressiva do número de óbitos registrados no Brasil e no mundo e, neste contexto, é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um problema de saúde pública. Para prevenir estas situações, existe o Centro de Valorização da Vida (CVV).

Fundado em São Paulo, em 1962, o CVV é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal, desde 1973. Presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato.

Os contatos com o CVV são feitos pelos telefones 188 (24h e sem custo de ligação) ou 141 (nos estados da Bahia, Maranhão, Pará e Paraná), pessoalmente (nos 89 postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br, por do meio chat e-mail. Nestes canais, são realizados mais de 2 milhões de atendimentos anuais, por aproximadamente 2.400 voluntários, localizados em 19 estados mais o Distrito Federal.

Leia Também

Condomínio onde motoboy sofreu preconceito repudia morador
Geral
Condomínio onde motoboy sofreu preconceito repudia morador
Em busca de emprego? Semana começa com mais de mil vagas disponíveis em 24 cidades de MS
Oportunidades
Em busca de emprego? Semana começa com mais de mil vagas disponíveis em 24 cidades de MS
Na linha de frente, técnico de enfermagem morre com covid-19 em Corumbá
CORONAVÍRUS
Na linha de frente, técnico de enfermagem morre com covid-19 em Corumbá
Agnaldo Timóteo diz que guarda mágoas do cantor Roberto Carlos
Geral
Agnaldo Timóteo diz que guarda mágoas do cantor Roberto Carlos