Menu
sábado, 19 de setembro de 2020
Polícia

Boca de fumo é fechada e casal é preso com casa recheada de droga e dinheiro

Um dos suspeitos disse que a droga seria para uso e não para comercialização

26 maio 2019 - 08h26Por Dany Nascimento

Uma equipe do Batalhão de Choque da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul recebeu uma denúncia anônima sobre um casal responsável pela venda de drogas na Rua Baobá, no bairro Moreninha III, em Campo Grande. Conforme o registro policial, os militares foram até o local e avistou os dois na frente do imóvel.

Ao ver a polícia, os dois correram para dentro da casa e fecharam o portão. A guarnição adentrou no local e abordou Fabiana Mariana Bucalon da Silva, 27 anos, na varada da casa. Ela disse que correu ao ver a polícia porque tem uma filha autista, que ficaria assustada ao ver a polícia revistando os pais na rua.

Um dos militares encontrou um tablete de maconha próximo da piscina da casa e a suspeita disse que não sabia de quem era. Os policiais acionaram reforço e com a chegada de outros militares, encontraram outros seis tabletes de maconha, um celular, uma bolsa pequena com um total de R$ 2.440 em dinheiro. No quarto do casal, os policiais encontraram R$ 4;759, um revólver calibre .38 com seis munições intactas e um rádio comunicador.

O marido de Fabiana, identificado como Denis Rodrigues Flores Medeiros, 36 anos, disse aos policiais que seria o dono de tudo que foi encontrado no local. Ele afirma que a quantidade de droga era para uso.

Os dois foram presos em flagrante e encaminhados para a Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico).

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar