Menu
segunda, 17 de maio de 2021
MS CRESCE PELA VIDA 14 a 18/05/2021
Polícia

Em carta, Fahd afirma que é doente e vive sob perseguição de traficantes

O homem que ficou conhecido como ‘Rei da Fronteira’ se apresenta como colaborador das forças de segurança e sem antecedentes criminais

19 abril 2021 - 13h31Por Rayani Santa Cruz e Willian Leite

O empresário Fahd Jamil Georges, 75 anos, que se apresentou nesta segunda-feira (19) à Justiça de Mato Grosso do Sul, disse em carta aberta que é um homem doente e que vive sob perseguição de traficantes. 

A defesa também argumentou durante entrevista à imprensa, que Fahd é constantemente ameaçado e teme pela vida. Eles pleiteiam que ele cumpra prisão em regime domiciliar pelo risco de morte por rivais em Presídio, pela saúde debilitada e pelo risco da covid-19.

A carta foi divulgada horas depois da prisão de Fahd, que está alojado na sede do Garras, por enquanto. Ele deve passar por perícia e fazer exames de corpo de delito antes de as autoridades definirem se ele permanecerá preso em uma unidade prisional ou cumprirá a pena em regime domiciliar.

O conhecido como ‘Rei da fronteira’ disse que é um homem idoso e sustentado pelos filhos, além de não dever nada para a Justiça. “Sou um homem idoso, doente e sob perseguição de traficantes. Estou aposentado e vivo sustentado pelos filhos. Não tenho antecedentes criminais (certidão negativa).”

Ainda no texto, ele afirma que sempre colaborou com as forças de segurança do Estado e que está disposto a contribuir, por isso a decisão de se entregar.

“ É bastante divulgado que sempre colaborei para o equilíbrio da segurança na região da fronteira. Minha história de vida revela permanente respeito e colaboração com as autoridades em geral, pela importância das atribuições que elas exercem. Por isso tudo, pretendendo zelar pelos meus direitos nos processos em curso, tomei a decisão de me apresentar na unidade local do Garras, em mais uma atitude de consideração pelos poderes públicos em geral. Doravante meus advogados Gustavo Badaró e André Borges falam por mim e me representam legalmente.”

A defesa explica que aguarda decisão das autoridades da Justiça de Mato Grosso do Sul. “Cumprimos o mandado de prisão, que é uma formalidade e vamos analisar os próximos passos da defesa. Vamos aguardar as decisões das próximas horas até para verificar se vão decidir onde ele vai ficar. Temos um habeas corpus pedindo a prisão domiciliar e temos outro questionando a competência da vara especializada para crimes organizados para julgar o caso”, disse Gustava Badaró.

Veja a carta na íntegra:

(Carta de Fhad Jamil. Foto: Divulgação)